Essenciais
Estude no exterior : Perspectivas profissionais

7 formas de lidar com a “depressão pós-intercâmbio”

Algumas maneiras de amenizar a tão temida Síndrome do Regresso, quando o intercambista retorna ao Brasil

7 formas de lidar com a “depressão pós-intercâmbio”
293

Apesar de todas as vantagens, benefícios e conhecimentos incríveis de um intercâmbio, o medo será uma presença constante, tanto na ida quanto no retorno. No entanto, com enfoques diferentes. A partida é carregada pelo desconhecido, enquanto na volta, o medo passa a ser da rotina, do passado, da reinserção à vida antiga. Afinal, você vai voltar outra pessoa, com uma vivência incrível e vários hábitos novos, além de ter conhecido outra realidade muitas vezes melhor do que a que você tinha aqui no Brasil.

 

Esse medo é muito comum e tem até nome: Síndrome do Regresso! Nós já falamos sobre ele aqui. É essencial que você tenha consciência desta fase e aprenda a lidar com ela da melhor maneira a amenizar as suas consequências – que, quando negligenciadas, podem acabar desenvolvendo depressão.

 

Em nosso artigo sobre Síndrome do Regresso, nós temos algumas dicas de como passar pelos primeiros meses de retorno. Para ajudá-lo a superar essa fase, listamos a seguir as sete dicas do site USA Today!

 

1. Compartilhe suas experiências

 

Não se sinta mal de falar sem parar sobre a sua experiência no exterior! Compartilhe suas histórias e aprendizados com seus familiares e amigos – eles vão querer saber sobre tudo, com certeza. É normal querer falar sobre o intercâmbio o tempo todo e, ao fazer isso, você conseguirá se reconectar às pessoas que ficaram.

 

Pode ser que chegue uma hora em que você já contou a mesma história para várias pessoas diferentes (ou até mesmo para a mesma pessoa). Até lá, a saudade do intercâmbio já vai ter diminuído e você já vai estar se sentindo mais em casa de novo.

 

2. Tente relaxar

 

Não importa se o que te relaxa for ler, praticar algum esporte, caminhar em algum parque, ouvir música, fazer novos planos, ou até mesmo praticar meditação... O importante é inserir esta atividade na sua rotina. Substitua o tédio e a frustração por coisas que te deixam mais calmo e relaxado. Ao atingir uma sensação de tranquilidade, mesmo que só por alguns momentos por dia, você consegue pensar com mais clareza e se preparar para um recomeço. Às vezes, tudo o que você precisa é de um tempinho para se readaptar no seu ritmo próprio.

 

3. Continue a praticar novas habilidades e aprendizados

 

Não se esqueça das habilidades e aprendizados conquistados no exterior! Não é porque você está de volta que não precisa continuar praticando o que aprendeu ou até mesmo deixar de aprender coisas novas. Uma excelente ideia é voltar a estudar – o idioma estrangeiro, a área de estudo iniciada no exterior, etc. E não deixe de conhecer lugares novos, mesmo que fiquem a poucos quilômetros da sua casa. Não deixe que o espírito aventureiro, ávido por conhecimento, morra com o seu retorno!

 

4. Mantenha-se em contato com os amigos do intercâmbio

 

Esta é uma dica maravilhosa! Eu já visitei amigas au pairs que retornaram ao Brasil no Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e Santa Catarina. Ainda conseguimos nos manter em contato depois de cinco anos de nosso intercâmbio, mesmo com a distância que nos separara. Os anos passam, mas a amizade e o carinho permanecem. Crie um grupo no Facebook ou no Whatsapp para conversarem sempre que possível. E por que não escrever cartas para elas? É sempre muito gostoso manter esta tradição.

 

5. Crie algum tipo de recordação permanente

 

Existem várias formas de se recordar de tudo sobre o intercâmbio e as quais recorrer quando você voltar: um blog ou canal no YouTube; um scrapbook; diários de viagem; uma página no Instragram; ou qualquer outra forma criativa de documentar a sua experiência no exterior. Além de ser uma recordação para sempre, também é divertido e artístico.

 

6. Valorize as diferenças entre as culturas

 

Pode ser que você tenha aprendido a viver em um lugar muito mais seguro e limpo, onde as pessoas são extremamente respeitosas. Um lugar com uma história linda e enriquecedora. Com hábitos invejáveis e preços acessíveis. No entanto, nada vai nunca se igualar ao calor dos brasileiros (tanto do clima quanto do comportamento), à sua receptividade e alegria. Nenhuma culinária vai ter a nossa feijoada, caipirinha, pastel, pão de queijo, coxinha... E em qualquer lugar do mundo, você será um estrangeiro!

 

Por isso, mesmo que você tenha realmente vivido uma realidade completamente diferente e, provavelmente, muito melhor do que a brasileira, é vital entender, respeitar e valorizar as diferenças entre as culturas. E ao invés de compará-las, procure ressaltar e focar-se apenas nas nossas qualidades.

 

7. Encontre uma nova aventura

 

Estar de volta não deve ser sinônimo de marasmo ou desmotivação! Você pode encontrar uma nova aventura para se manter ocupado e distraído. Faça uma lista de coisas que você quer fazer antes dos 30 (40, 50, não importa). E que tal aprender um segundo idioma estrangeiro agora? Ou então dar início a uma pós-graduação? Planeje sua próxima viagem com os amigos, inscreva-se em aulas de dança...

 

O que você quer fazer agora?

 

Leia mais:

Psicóloga explica as causas e os sintomas da Síndrome do Regresso

As vantagens e desvantagens de ter amigos brasileiros no exterior

Coisas sobre as quais os intercambistas não conseguem parar de falar

Pesquise por cursos

Selecione país
Graduação
SOBRE O AUTOR

7 formas de lidar com a “depressão pós-intercâmbio”

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Dê uma olhada...