Essenciais
Canadá: Destino de Estudo

A vida e a rotina de estudos de um casal brasileiro no Canadá

Casal brasileiro conta sobre os estudos e a vida no Canadá
3385

Os paulistanos Endrigo e Cintia Cavinato estão juntos há três anos e casados desde o início do ano. Juntos, o engenheiro e a designer de interiores planejaram a mudança para Toronto, no Canadá, em abril. O propósito principal foram os estudos: Endrigo está cursando uma pós-graduação na Humber College. Mas a intenção do casal é conseguir a residência permanente e mudar-se definitivamente para o Canadá. Endrigo conversou com o Hotcourses Brasil sobre o processo de visto, a cultura acadêmica canadense e como um intercâmbio pode mudar o seu jeito de pensar.

 

Em qual universidade e curso você estuda?

No curso de pós-graduação de Project Management (Gestão de Projetos) na Humber College.

 

Como foi o processo seletivo para o curso? Quais documentos precisou providenciar? Foi demorado?

Primeiro foi preciso apresentar uma prova de proficiência em inglês. Na Humber College, são aceitas provas como IELTS, TOEFL, ou certificado de escolas de inglês parceiras da faculdade. Por exemplo, para aplicar para um curso de graduação, na prova do IELTS é preciso ter uma média total de 6,0 (6,0 de 9,0) sendo que o mínimo aceito por cada fase (reading, listening, speaking e writing) é 5,5. Para pós-graduação, é preciso ter uma média total de 6,5 (6,5 de 9,0) sendo que o mínimo aceito por cada fase é 6,0. 

 

Para o curso de pós-graduação foi preciso também apresentar a tradução juramentada do diploma de bacharel. Todo o processo foi feito pela agência de intercâmbio IP (Information Planet) e levou cerca de um mês, desde a aplicação até receber a carta de aceitação da universidade.

 

Como é a sua rotina de estudos? Como é a cultura acadêmica no Canadá? É muito diferente da brasileira?

Devido à curta duração do curso (oito meses reais considerados um ano acadêmico), a carga horária é intensa, tendo apenas um dia livre na semana. Cada matéria tem seus trabalhos para entregar semanalmente, a sua maioria feita em grupo. Isso me proporciona uma rotina intensa de estudos, bem diferente da rotina que tive no curso de engenharia no Brasil, onde o principal eram as provas, não tendo muitos trabalhos para entregar.

 

Quanto à didática dos professores, não sei se é por ser uma pós-graduação ou por ser uma cultura diferente, mas os professores sempre esperam que os alunos leiam toda a matéria de cada aula antes de assistir a mesma, e o principal papel do professor é resumir os principais tópicos e responder as perguntas geradas pela leitura pré aula. Bem diferente do curso de engenharia onde os professores ensinavam a matéria toda em detalhes durante a aula.

 

Tenho duas provas por semestre em cada matéria no meu curso. Todas são de múltipla escolha, sendo uma no meio do semestre e a outra no final.  A média mínima para graduação é de 50% em cada matéria. Porém, para se formar é preciso uma média geral das matérias de 60%.

 

Como é a cultura canadense? O que vocês gostam mais? E o que foi mais difícil para se adaptar?

A cultura canadense é muito parecida com a cultura dos EUA. O que eu sinto de diferente aqui é que as pessoas são mais gentis e educadas. Por aqui a gente fala bom dia para o motorista do ônibus e quando descemos falamos obrigado. Quando você vai ao mercado, ao banco ou à farmácia, o atendente te diz bom dia, te pergunta como vai. A comida típica é o poutine, que é uma porção de batatas fritas com um molho a sua escolha, sempre acompanhado de muito queijo. Fast Foods são bem comuns por aqui, mas existem também as opções saudáveis e varias opções para os vegetarianos, devido à grande população indiana. 

 

O que a Cintia mais gosta daqui é a segurança. Você pode andar sozinho pela rua de noite com o celular na mão, sem medo! 

 

Acredito que a parte mais difícil da nossa adaptação está chegando: o frio. Estamos no outono e a temperatura já chegou a 2 graus.

 

 

Como foi para tirar o visto para viajarem juntos? O processo foi simples?

Eu tenho visto de estudante, que me dá direito a trabalhar 20 horas semanais. Por sermos casados, a Cintia tem visto de trabalho (40 horas semanais). O processo do visto foi chato e demorado, mas faz parte. São infinitos formulários para serem preenchidos e no final do processo, eles nos pediram para fazer exames médicos, o que foi um gasto que a gente não esperava (cerca de R$ 1.400,00 para o casal, incluindo consulta médica e exames). Para aplicar para o visto contratamos a empresa Infovistos.

 

Onde vocês trabalham?

Trabalho em uma Empresa de Limpeza aos finais de semana (20 horas semanais). A Cintia trabalha como babá em período integral (40 horas semanais). 

 

O povo canadense é receptivo?

Sim, Toronto é uma cidade onde 51% da população não são canadenses. Ou seja, eles estão acostumados a conviver com imigrantes desde o início da construção do país. Uma das características mais marcantes do povo canadense é a boa educação. 

 

Vocês já tiveram outras experiências de intercâmbio? Quais? O que acharam delas?

 A Cintia foi au pair na Virginia, nos Estados Unidos, em 2009; e eu estudei inglês por seis meses em Toronto, Canadá, em 2014. Acredito que essas experiências foram cruciais para que a gente pudesse amadurecer os nossos planos para viver fora do Brasil. Um intercâmbio te faz abrir a mente. Te fazer enxergar a vida de uma maneira diferente, crescer. Te ensina muito sobre auto-conhecimento e desperta em nós uma vontade de querer algo mais do que viver no nosso "mundinho".

 

Vocês recomendariam o Canadá para os brasileiros que estiverem considerando-o como destino de estudo? Por quê?

Quanto ao método de ensino, eu recomendo, sim, vir estudar no Canadá, pois o aluno é obrigado a ser pró-ativo para ter boas notas, o que traz apenas benefícios para sua vida profissional e pessoal. Entretanto, fazer um curso superior fora do Brasil só será viável se a profissão escolhida se aplicar no Brasil de mesma forma que no país estrangeiro escolhido. Por exemplo, engenharia é igual no mundo todo. Já direito diferencia de acordo com as leis de cada país.

 

Já se a intenção for de fato a imigração, como é o nosso caso, recomendo com certeza vir estudar no Canadá. Temos dois casais de amigos brasileiros aqui que também vieram estudar e, assim como nós, estão batalhando para conseguir a Residência Permanente. É preciso planejamento! Nós nos organizamos por um ano, planejamos cada detalhe da nossa mudança para Toronto. Porém também é preciso contar com a sorte. Conseguir um apartamento para alugar sendo que os dois ainda não tinham emprego foi um desafio e tanto! Conseguir o primeiro emprego por aqui também não foi fácil. Mas é possível! Planejamento, determinação, competência, sorte e fé, acredito que foram essas as armas que usamos até aqui. 

 

Leia mais:

Brasileiro conta a sobre a sua experiência na London School of Economics

A rotina profissional de uma engenheira ambiental brasileira na Austrália

Entrevista: cursar um mestrado na Holanda

Pesquise por cursos

Canadá
Pós-graduação
SOBRE O AUTOR

Casal brasileiro conta sobre os estudos e a vida no Canadá

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Dê uma olhada...