Essenciais
Estude no exterior : Inscrevendo-se em uma universidade

Dicas para escrever a sua personal statement

O que e como escrever a sua personal statement, a redação mais importante para a sua admissão no exterior.

Dicas para escrever a sua personal statement

É praticamente certo que você precisará de uma personal statement para estudar no exterior. Como explicamos aqui, essa é uma redação que cada um dos candidatos escrevem para que a equipe de recrutamento tenha uma ideia mais completa de quem são e por que querem estudar na universidade em questão. Essa é a sua chance de demonstrar os seus interesses, experiências e habilidades que fazem de você um bom candidato.

 

Talvez essa seja a primeira vez que você precise produzir algo do tipo. E quando você escreve uma declaração pessoal com o intuito de “vender o seu peixe”, há sempre a necessidade de encontrar um equilíbrio para não soar repetitivo ou egocêntrico.

 

Parece uma tarefa difícil, mas temos uma série de dicas que lhe ajudarão a encontrar o tom certo e arrasar na sua personal statement.

 

1. Liste suas razões e qualidades antes de começar

 

Passo 1 para escrever a sua personal statement

 

A melhor maneira de começar a sua personal statement é fazendo o planejamento do que ela conterá. A sua escrita deve ser concisa e direta, porque os recrutadores lerão dezenas e dezenas de redações e muitas vezes elas são indistinguíveis umas das outras. Todos estão tentando se mostrar dignos da seleção.

 

Portanto, o que lhe destaca dentre os outros?

 

Antes de começar, faça os seguintes questionamentos sobre si mesmo:

 

  • Quais são as suas razões para escolher esse curso específico? Faça uma lista com as três ou cinco principais razões.
  • Por que essa é a melhor escolha para você – de país, universidade e área de estudo? Faça uma lista de quais maneiras você se beneficiaria sendo admitido. Tente ser bem específico.
  • Liste também as suas experiências prévias relacionadas à área de estudo que você quer cursar no exterior.

 

Em alguns cursos, a experiência de trabalho é obrigatória para a admissão. No entanto, na grande maioria dos casos, ela é valorizada, mas não compulsória. Por exemplo, se você quer estudar Ciências Veterinárias, experiências relevantes tendem a ser decisivas para o recrutamento, como ter sido voluntário em uma ONG de resgate ou clínica veterinária.

 

O mais importante é ter em mente que a sua personal statement pode ser um fator decisivo na inscrição. Planeje cada um dos parágrafos, o que você escreverá em cada trecho da sua redação, para não enrolar sem dizer nada importante.

 

Considere, inclusive, conversar com um professor sobre os seus pontos fortes e qual seria a melhor abordagem para escrever sobre eles. Às vezes, é difícil falar sobre as próprias qualidade e conquistas, então um segundo ponto de vista de um amigo ou familiar pode ajudar antes de começar.

 

Catálogos universitários: estudar no exterior

 

2. Acrescente todas as informações obrigatórias

 

Parece uma dica básica, mas atente-se a TODAS as informações obrigatórias que a universidade fornece na página de inscrição. Ao falhar de seguir as orientações, você passa a ideia de ser desleixado ou desatento. Do ponto de vista administrativo, a falta de detalhes torna o trabalho da equipe de admissões mais difícil – e é ela que decidirá se você merece ser admitido ou não.

 

Como são muitas redações que eles precisam ler, a omissão de uma informação importante pode ser, sim, motivo para desqualificá-lo. Por isso, leia atentamente as orientações da universidade para a personal statement.

 

De maneira geral, as declarações pessoais de estudantes internacionais devem fazer menção a:

 

  • Proficiência adequada na língua inglesa (ou outro idioma estrangeiro necessário para a admissão);
  • Suas razões para estudar no exterior ao invés de no seu próprio país;
  • Suas razões para escolher o destino de estudo específico (por exemplo, por que nos Estados Unidos ou Austrália);
  • Quaisquer habilidades adquiridas que sejam importantes para a área de estudo (por exemplo, suas notas em ciências ou desenvoltura com idiomas);
  • Uma ou mais leitura importante para o curso e que lhe ajudou a se interessar pela área de estudo;
  • Experiência de trabalho ou voluntariado;
  • Viagens ao exterior;
  • Participação em clubes estudantis ou atividades extracurriculares relacionadas à área de estudo;
  • Seus objetivos acadêmicos e profissionais.

 

Não se preocupe se você não tiver experiência de trabalho! Embora seja interessante inclui-la caso tenha, ela não é essencial à sua admissão. Há outras maneiras de se destacar, como competências desenvolvidas, interesse e hobbies. Você visita museus e galerias de artes com frequência? Você faz parte de um time esportivo? O que você aprendeu com essas experiências? Tudo isso conta na personal statement e os recrutadores têm uma imagem mais completa de quem é você.

 

3. Como escrever a personal statement

 

Agora é hora de escrever a sua personal statement. Nós temos algumas dicas importantes para esse momento:

 

  • O tom da sua redação deve ser formal e, ao mesmo tempo, entusiasmado.

 

  • Evite passagens humorísticas que corram o risco de serem mal interpretadas – e que não tenham absolutamente nada a ver com a sua área de estudo.

 

  • Evite sentenças desnecessariamente longas que atrapalham a leitura.

 

  • Procure manter uma escrita clara e concisa que ajude o leitor a compreender todos os pontos principais da sua redação.

 

  • Leia a sua redação em voz alta sozinho e também para alguém ouvir – essa é uma técnica excelente para identificar erros os passagens que estejam soando confusas.

 

  • Revise, revise e revise.

 

4. Como mostrar sua personalidade na redação

 

Mostre sua personalidade na sua personal statement

 

A meta aqui é distingui-lo o máximo e da melhor forma possível dos demais candidatos, mas pelos motivos certos:

 

  • A não ser que seja uma orientação da própria universidade, não inclua uma foto sua na personal statement ou qualquer outro documento que não seja solicitado, como currículo ou portfólio.

 

  • As atividades extracurriculares são bastante valorizadas, mas, mesmo que você tenha experiência com várias delas, selecione apenas as mais importantes para a área que você quer estudar no exterior. Por exemplo, não adiante listar todas as suas habilidades e experiências, como jardinagem, natação e clube do livro se elas não se relacionarem ao curso de Administração de Empresas no qual você quer ser admitido.

 

  • Trabalhos beneficentes ou as atividades na sua comunidade educacional geralmente são bem recebidos pelos recrutadores, porque mostram proatividade e preocupação com o outro.

 

Resumidamente, responda:

 

Quais atividades e interesses pessoais dizem mais sobre você como um representante em potencial dessa instituição?

 

5. Simplicidade é a chave

 

Na maioria dos casos, a simplicidade é o melhor caminho. Se você consegue dizer algo com cinco palavras ao invés de dez, faça isso (em especial, se a personal statement tiver limite de caracteres).

 

Nós sabemos que é tentador usar o dicionário o tempo todo para encontrar palavras mais “difíceis e sofisticadas” ou procurar sinônimos online para parecer mais intelectual, no entanto, não caia nessa armadilha por dois motivos:

 

1. Você corre o risco de usar palavras no contexto errado e perder todo o sentido que você procura transmitir.

2. A redação soará bem artificial.

 

Convenhamos, embora os recrutadores busquem os candidatos mais adequados, eles não esperam que adolescentes sejam intelectuais com um vocabulário rebuscado. A simplicidade é ainda mais importante se considerarmos que a personal statement deve ser em inglês. Escrever uma boa redação em uma língua estrangeira já impressionará os recrutadores o suficiente.

 

Acima de tudo, garanta um texto fluído, que transite bem de tópico a tópico em uma ordem que faça sentido. Ele funcionará como um convite para o recrutador querer conhecê-lo melhor.

 

6. O tamanho da redação

 

O limite de caracteres obrigatório varia de acordo com o país e da instituição. No Reino Unido, a média é de 4.000 caracteres, que equivale a aproximadamente 500 palavras. Na Austrália, geralmente são 700 palavras ou 1.400 caracteres) e nos Estados Unidos, as universidades costumam pedir entre 500 a 800 palavras.

 

Por isso, a nossa última recomendação é algo que já aconselhamos antes: leias as orientações específicas da sua universidade com muito cuidado!

 

Leia também:

7 erros comuns que você deve evitar na sua personal statement

Como usar a técnica STAR na sua admissão no exterior

10 dicas sobre a bolsa de estudo Chevening

CURSO PERFEITO
Quer saber qual curso é melhor para você?
Descubra com a nossa nova ferramenta "Selecionador de curso"!
COMEÇAR SUA BUSCA

Leitura recomendada

Exame IELTS: qual versão é a certa para você?

Quase toda universidade internacional tem como parte do seu processo seletivo um exame de proficiência em inglês.  Os mais famosos e os mais reconhecidos entre eles são o TOEFL e o IELTS. Este segundo está cada vez mais conhecido no exterior e é aceito por 8 mil universidades e associações profissionais do mundo inteiro. Segundo o  British Council  (organização britânica responsável pela prova), mais de 2 milhões de pessoas fazem o IELTS a cada

9.8K

Entrevista: diretor de consultoria da Steinberg Consultancy

O Hotcourses conversou com Stephan Reichenberger, diretor e consultor da companhia  Steinberg Consultancy , que oferece serviços de consultoria aos estudantes brasileiros interessados em passar pelo processo seletivo de universidades dos Estados Unidos e Reino Unido. Leia a entrevista a seguir.   Quais são os serviços oferecidos pela Steinberg Consultancy?   Nós oferecemos serviços de College Counseling para alunos de colegial e

3.1K