Essenciais
ESTUDE NO EXTERIOR : Antes de partir - Leitura recomendada

5 coisas que toda au pair precisa considerar antes de escolher uma host family

Horário de trabalho, a idade das crianças, o uso do carro, entre outros detalhes devem ser acertados previamente porque influenciarão diretamente a sua experiência

5 coisas que toda au pair precisa considerar antes de escolher uma host family
231

A escolha da sua host family é, sem dúvidas, a parte mais importante do seu intercâmbio. Afinal, você morará com eles por no mínimo um ano e eles serão não só responsáveis pela segurança como também os seus chefes durante toda a sua estadia.

 

Existem casos e casos, tanto positivos quanto negativos, sobre a relação entre a intercambista e a família estrangeira. Algumas pessoas precisam passar por rematch em poucos dias, enquanto outras são praticamente adotadas como filhas pelos host parents.

 

Na hora que o seu perfil é aprovado e você começa a receber propostas de match, pode bater aquele desespero de escolher logo a primeira família que demonstra interesse por você. Mas tenha paciência! É fundamental definir alguns padrões que sejam importantes para você e não deixar de fazer uma série de perguntas quando conversarem.

 

A seguir, listamos alguns itens essenciais que devem ser acertados antes de escolher a sua host family:

 

1. Privacidade

 

 

Como você vai morar no trabalho, ter um pouco de privacidade no final do dia é essencial para recarregar as baterias emocionais. Peça fotos do quarto da au pair na casa e procure saber onde ele está localizado.

 

Nos subúrbios de grandes cidades, por exemplo, as casas costumam ser sobrados e ter um andar subterrâneo completo no basement. O meu quarto ficava bem reservado “embaixo” da casa enquanto toda a família dormia no primeiro andar, e essa “paz” após o trabalho para mim foi essencial.

 

O banheiro é outra coisa importante. Eu tinha um só para mim, no basement, mas muitas meninas precisam compartilhá-lo com as crianças. Você não se incomodaria com isso?

 

Pergunte à família:

  • Como é o meu quarto?
  • Onde ele fica na casa?
  • Qual banheiro eu usarei? Ele é compartilhado?
  • Vocês poderiam mandar fotos do quarto e do banheiro?

 

2. Finais de semana

 

 

A carga horária de uma au pair é, por lei, de 45 horas semanais. É a família que escolhe como o seu trabalho será dividido pela semana, de acordo com a rotina das crianças. No meu caso, eu trabalhava de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 17h30. Sempre que meus host parents precisavam do meu trabalho aos finais de semana, eles me pagavam um valor extra condizente ao meu salário.

 

Para mim, foi excelente não precisar trabalhar aos finais de semana, porque me permitia passear bastante, programar viagens e também ir a festas sem me preocupar em acordar cedo no dia seguinte.

 

Mas isto vai de cada pessoa e também de cada rotina. Se os seus host kids já forem mais velhos e passarem boa parte do dia na escola, você terá bastante tempo livre durante a semana, inclusive para estudar, aí provavelmente precisará trabalhar aos finais de semana. Às vezes, as crianças precisam de um acompanhante em algum tipo de atividade escolar/esportiva fora do seu horário, e a família pode precisar de você. Normalmente, há dois tipos de acordos quando isso acontece: receber um valor pelo trabalho extra ou descontar as horas do seu horário normal durante a semana.

 

Por isso, a conversa prévia é importante para estipular os seus horários.

 

Ah, e se os seus host parentes exigirem que você faça uma jornada muito mais longa (ou qualquer serviço que não conste nas regras do programa), você pode entrar em contato com a sua counselor regional para resolver isso.

 

Pergunte à família:

  • Quais serão meus horários de trabalho?
  • Precisarei trabalhar aos finais de semana? Se sim, em qual horário?
  • Com que frequência vocês precisam dos trabalhos da au pair fora do horário de serviço?

 

3. A idade das host kids

 

 

A idade das crianças influenciará diretamente na sua rotina. Os mais novos exigem mais atenção constante da au pair e passam o dia todo em casa. Nos EUA, quando as crianças começam a estudar na pré-escola, elas vão apenas dois ou três dias na escolinha em meio período. A partir do ensino fundamental, apesar de passarem a manhã e boa parte da tarde na escola, é comum que possuam uma rotina agitada de atividades extracurriculares, e aí caberá à au pair a função de motorista – leva e traz as host kids do balé, natação, judô, aula de piano, etc.

 

Assim, se você não se sente muito confortável dirigindo, precisa checar minuciosamente as suas responsabilidades como au pair. Eu cuidei de dois meninos pequenos, de três e cinco anos. Passava a maior parte do dia com eles e a convivência constante, para mim, foi o meu maior aprendizado, principalmente para a fluência no inglês. (Sim, dá para aprender bastante com crianças pequenas!)

 

Os meus host parents faziam questão que eu soubesse dirigir bem para levar os meninos passear com frequência e também que eu soubesse nadar para cuidar dos dois na piscina da casa. Quando o maior entrou no 2º ano e o pequeno passava duas tardes na escolinha, eu podia usar o tempo livre para estudar, mas como ainda era meu horário de serviço, minha host mom pedia que eu arrumasse a bagunça da casa relacionada aos meninos – fazer a cama, lavar a louça, guardar brinquedos (coisas que, com o tempo, eu ensinei os meninos a fazer para aprenderem a ser organizados e limpar sua própria bagunça).

 

Qual tipo de rotina você se sente mais confortável? A resposta já vai te dar uma ideia melhor de como escolher a sua família pela idade das crianças.

 

Pergunte à família:

  • Qual é a idade das crianças?
  • Elas já vão à escola? Em quais horários?
  • Elas fazem atividades extracurriculares? Quais? Quando?
  • Eu precisarei dirigir as crianças à escola?

 

4. Carro

 

 

Dependendo da região que você morar, não dá pra fazer quase nada sem um carro. Foi assim no meu caso, em um pequeno condado da Virginia, nos subúrbios de Washington, D.C., a capital norte-americana. Os centros comerciais são aglomerados de lojas e supermercados em pontos estratégicos pela região e os condados ficam longe um do outro, com condomínios e mais condomínios de casarões. Andar a pé pela região era praticamente impossível.

 

Muitas famílias têm um carro reservado à au pair durante a semana para que possam levar e trazer as crianças dos compromissos; mas aos finais de semana, sem um carro, as suas opções de lazer serão limitadas ou você dependerá da carona de suas amigas.

 

Claro que a situação muda se a sua host family morar em uma cidade grande ou a poucos quarteirões de uma estação de metrô ou ponto de ônibus. Por isso, a localização da casa também é muito importante.

 

Na minha experiência, ter um carro só para mim aos finais de semana foi extremamente essencial para aproveitar o meu tempo livre e conhecer a região. Quase todas as minhas amigas moravam a pelo menos 30 minutos de casa e todas as aulas que eu fiz aconteceram em outro condado. O serviço de ônibus não passava pelo nosso condomínio e a estação de metrô mais próxima ficava a 20 minutos de carro. Ou seja: eu não conseguiria fazer nada a pé!

 

Pergunte à família:

  • Quais são as suas regras em relação ao carro da au pair?
  • Existe um sistema de transporte público na região?
  • Qual é a estação de metrô mais próxima?
  • Poderei usar o carro fora do horário de trabalho?

 

5. Alimentação

 

 

Os hábitos alimentares variam imensamente entre países, regiões e famílias. No programa de au pair, a família é responsável em providenciar as refeições da au pair. Já ouvi histórias esdrúxulas de intercambistas que não tinham permissão para abrir a geladeira da host family, mas estes casos são raros e definitivamente precisam da ajuda da counselor.

 

No entanto, será muito mais fácil e prático se você e sua família tiverem hábitos alimentares semelhantes. Nos EUA, de maneira geral, come-se muito mal, porque eles presam pela praticidade em primeiro lugar. (Leia mais sobre isso aqui!) Para mim, isto significou comer muita comida congelada, hambúrgueres e hot dogs.

 

Na época, não foi um problema porque eu acreditava que a alimentação fazia parte do pacote da experiência cultural norte-americana e eu conseguia balancear com uma rotina de exercícios. Mas não é incomum escutar casos de pessoas que se alimentavam muito mal durante o intercâmbio devido aos hábitos alimentares dos norte-americanos e o fácil acesso a redes de fast food com preços risíveis.

 

Durante a conversa prévia com meus host parents, eles até perguntaram se eu comia carne, porque eles amavam churrascos (que para eles são feitos apenas de hambúrguer e salsicha) e faziam questão que eu jantasse com eles.

 

A alimentação influenciará também a sua rotina de trabalho, porque provavelmente você precisará preparar pelo menos duas refeições diárias das crianças. Os meninos que eu cuidava eram bem seletivos em relação à alimentação e eu logo percebi que eles nunca faziam uma refeição completa e balanceada como a nossa brasileira costuma ser. Às vezes, tudo o que eu precisava fazer era colocar pepperoni, queijo e morangos picados no prato e, pronto, almoço servido!

 

Como você acabará comendo o que tiver na geladeira, é preferível que a sua família tenha hábitos alimentares semelhantes aos seus.

 

Pergunte à família:

  • Quais são os hábitos alimentares das crianças?
  • Quais refeições eu terei de preparar para eles?
  • Vocês são vegetarianos? (Caso isso seja importante pata você!)
  • A au pair da casa costuma jantar com vocês?

 

Leia também:

Use o seu tempo como au pair para estudar nos Estados Unidos

Homestay: eu morei com uma família americana

Como serr uma au pair pode ajudar no seu desenvolvimento pessoal e profissional

Meu trabalho voluntário nos Estados Unidos

Dê uma olhada...

Pesquise por cursos

Selecione país
Graduação
SOBRE O AUTOR

5 coisas que toda au pair precisa considerar antes de escolher uma host family

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Leitura recomendada

8 motivos para estudar no exterior

Seja por conta própria ou por um intercâmbio oferecido pela sua universidade brasileira, estudar no exterior será sempre uma opção beneficial à sua vida de maneira absolutamente geral. Existem inúmeras razões pelas quais a experiência de viver em outro país e frequentar uma instituição internacional deveria ser uma opção obrigatória do sistema educacional de qualquer lugar do mundo. Se você ainda não estiver convencido sobre os benefícios desta experiência, leia

34588

Cheerleading: líderes de torcida no Brasil

Você já as viu em filmes norte-americanos ou em grandes eventos esportivos dos Estados Unidos. Você sabe quem elas são! As cheerleaders, ou líderes de torcida, são parte integral da cena esportiva americana. Cada time tem o seu grupo de meninas (e, em grande parte, meninos também) que preparam apresentações cheias de dança, acrobacias, ginástica, ritmo e pom-poms com um só intuito: agitar a torcida.    Criado pela Princeton University nos Estados

30197

10 coisas engraçadas que você vai fazer ao se preparar para estudar fora

O que fazer quando você vai estudar no exterior? Nós temos artigos e mais artigos sobre este assunto aqui . Tudo para ajudá-lo a se preparar para a partida e também para os estudos, a adaptação, a vida em outro país, etc. Mas há algumas coisas que são difíceis de evitar e outras completamente essenciais na hora de fazer as malas para estudar no exterior...   Alegria avassaladora   Aquele momento de alegria pura e genuína. Uma

3592

Consultora explica como é o trabalho de orientação para quem quer estudar no exterior

O Hotcourses Brasil entrevistou Emily Dobson, consultora educacional coorporativa, criadora da Brazil College Counseling , agência de orientação universitária para brasileiros que gostariam de estudar nos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá. Reconhecida oficialmente pela UCLA Credentialed Higher Education Consultants Association e autorizada a trabalhar no Brasil, Emily, que é americana e mora no Brasil há mais de dez anos, explicou como é o trabalho de um

3355