Nossos cookies

Nós usamos cookies para oferecer uma melhor experiência de busca com conteúdo personalizado, anúncios relevantes e funcionalidades aprimoradas. Ao aceitá-los, você concorda com o uso de cookies de acordo com a política de cookie e pode gerenciar as suas preferências a qualquer momento.
Essenciais
Estude no exterior : Antes de partir

Quer uma alternativa além dos vestibulares brasileiros?

share image

 

No início de junho, começa o período de inscrição para o ENEM, o Exame Nacional do Ensino Médio. Isso significa que em junho, dá-se início a maratona rumo ao vestibular, uma vez que a nota do ENEM interfere diretamente na admissão em muitas instituições de ensino superior no Brasil. Da metade do ano em diante, as universidades abrirão suas inscrições para a prova mais esperada por quem frequenta o terceiro ano colegial, os vestibulares. É a hora de colocar em prática o que você vem estudando a vida toda. E mesmo que as suas médias escolares sejam as melhores há anos, isso não será levado em consideração se o seu resultado no vestibular não for o suficiente para ser admitido.

 

É um processo árduo, cansativo, e um tanto desesperador. Não é a toa que os jovens obstinados em triunfar nas provas de admissão das universidades brasileiras acabam passando um, dois, até três anos sem vida social, presos a uma exaustiva rotina de estudos. É claro que as horas de dedicação de muitos destes adolescentes serão recompensadas, mas não há nada que garanta com total certeza um bom resultado nos vestibulares.

 

Sua dedicação escolar é compensada no processo seletivo no exterior

 

E se, ao invés ou além dos vestibulares brasileiros, você tentasse também processos de admissão no exterior, onde o vestibular não existe? Há alguns passos a seguir e alguns documentos a serem submetidos, mas nenhuma parte do processo é tão dolorosa quanto os vestibulares. Além disso, as universidades internacionais levam em consideração os méritos escolares e acadêmicos e os esforços dos estudantes durante toda a sua jornada pelo ensino fundamental e médio.

 

Como? Os alunos que possuírem as maiores notas e as melhores médias em seus boletins terão mais chances de ser admitidos. Os que conseguirem melhores cartas de referências de professores, relatando quão bom são no desempenho e na convivência estudantil, também têm chances maiores. Assim como os que se empenharam em atividades extracurriculares e trabalhos voluntários. Portanto, os anos de dedicação escolar são compensados, pois serão eles que demonstrarão o quanto o estudante merece a vaga internacional e o quanto está apto a cursar a graduação de interesse.

 

As universidades estrangeiras exigem um teste de proficiência em inglês para testar o nível de fluência dos candidatos internacionais. No entanto, se você já vem se preparando para o vestibular há alguns anos, o seu inglês já deve estar afiado, já que as provas de admissão brasileiras possuem uma seção de perguntas dedicadas ao idioma. Caso o seu inglês ainda não esteja bom o suficiente, muitas universidades internacionais possuem centros de estudo de inglês, que lhe preparam para o ingresso direto no curso de graduação desejado. Ou você pode optar, ainda, por cursos preparatórios ou cursos de acesso a graduação, que irão focar nos aprendizados de matérias fundamentais para a compreensão da sua área acadêmica almejada.

 

Como as universidades estrangeiras cobram, obviamente, em suas moedas locais, as taxas podem assustar e desanimar um pouco os interessados em formar-se no exterior. Entretanto, gastar com educação superior é sempre um grande e recompensador investimento. Ou mais: uma formação no exterior é bem vista tanto no Brasil quanto fora dele. Estudantes formados em outros países são vistos como mais ousados, determinados e “guerreiros”, por deixar o país de origem e encarar a disputa internacional, em outra língua, e por adquirirem conhecimentos e experiências diferenciadas dos acadêmicos brasileiros.

 

Além disso, existem inúmeras bolsas de estudos de instituições no exterior criadas exclusivamente para estudantes internacionais, amenizando ou zerando o custo do curso. É só pesquisar na nossa página de bolsas de estudos!

 

Se ser admitido em uma prestigiosa instituição brasileira é motivo de orgulho e promessas profissionais, imagine ser admitido em uma universidade estrangeira!

 

Leia mais...

Use as suas experiências no exterior a seu favor.

ENEM: bom resultado pode aumentar suas chances de admissão no exterior

10 dicas para melhorar o seu inglês antes de ir estudar no exterior

Leitura recomendada

article Img

Cheerleading: Como ser uma líder de torcida no Brasil?

Você já as viu em filmes norte-americanos ou em grandes eventos esportivos dos Estados Unidos. Você sabe quem elas são! As cheerleaders, ou líderes de torcida, são parte integral da cena esportiva americana. Cada time tem o seu grupo de meninas (e, em grande parte, meninos também) que preparam apresentações cheias de dança, acrobacias, ginástica, ritmo e pom-poms com um só intuito: agitar a torcida.      Líder de torcida

73.7K
article Img

10 coisas engraçadas que você vai fazer ao se preparar para estudar fora

O que fazer quando você vai estudar no exterior? Nós temos artigos e mais artigos sobre este assunto. Tudo para ajudá-lo a se preparar para a partida e também para os estudos, a adaptação, a vida em outro país, etc. Mas há algumas coisas que são difíceis de evitar e outras completamente essenciais na hora de fazer as malas para estudar no exterior.   Conselhos engraçados para quem vai estudar no exterior   Se você estiver se

6.8K
article Img

Consultora explica como é o trabalho de orientação para quem quer estudar no exterior

O Hotcourses Brasil entrevistou Emily Dobson, consultora educacional coorporativa, criadora da Brazil College Counseling , agência de orientação universitária para brasileiros que gostariam de estudar nos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá. Reconhecida oficialmente pela UCLA Credentialed Higher Education Consultants Association e autorizada a trabalhar no Brasil, Emily, que é americana e mora no Brasil há mais de dez anos, explicou como é o trabalho de um

5K