Essenciais
Estude no exterior : Antes de partir

O que é essay?

O que significa "essay", esta palavra tão comum no meio acadêmico internacional.

43109

Você vai ouvir muito essa palavra durante o seu curso no exterior. Essay significa “ensaio” em português, um trabalho analítico ou literário. É, basicamente, uma composição que descreve, explica e analisa algum assunto específico. Nas universidades, o termo é usado para os trabalhos acadêmicos exigidos por professores aos estudantes valendo nota.

 

São os usuais trabalhos de faculdade que todo universitário terá de fazer várias vezes durante o curso dos estudos. Podem ser

Você vai ouvir muito essa palavra durante o seu curso no exterior. Essay significa “ensaio” em português. Trata-se de um trabalho analítico, interpretativo ou literário. É basicamente uma composição por escrito que descreve, explica e analisa algum assunto específico. Nas universidades, o termo é usado para os trabalhos acadêmicos exigidos por professores aos estudantes valendo nota.

 

São os usuais trabalhos de faculdade que todo universitário terá de fazer várias vezes ao longo dos estudos, sejam eles de uma graduação ou de uma pós-graduação. Podem ser sobre inúmeros temas dentro de cada matéria estudada no seu curso universitário. 

 

Essay para ser admitido no exterior

 

Você poderá escrever um essay mais cedo do que imagina. Algumas universidades internacionais pedem, como parte do processo de seleção, que os candidatos às vagas de seus cursos escrevam um redação para explicar os motivos que os levaram a escolher a área de estudo e por que deve ser selecionado.

 

Temas de essay

 

Há também casos constantes de instituições que estipulam um tópico específico ou dão algumas opções de temas dentre as quais o estudante pode selecionar o seu preferido para escrever o seu essay.

 

Alguns possíveis temas incluem:

 

  • Disserte sobre alguma questão pessoal, local, nacional ou internacional e de que forma ela é importante na sua vida;
  • Indique uma pessoa que tenha grande influência na sua vida e descreva de que forma ela o influencia;
  • Descreva um personagem fictício, uma figura histórica ou um artista que tenha grande influência na sua vida e descreva de que forma ele o influencia;
  • Descreva uma experiência na sua vida que ilustre como você pode ajudar na diversidade da comunidade universitária;
  • Escreva uma carta para o seu futuro roommate (companheiro de quarto) falando sobre você, que o ajudará a conhecê-lo melhor;
  • O que é importante para você e por quê?

 

A universidade pode criar assuntos diferentes ou até mesmo deixar o tema livre para a escolha dos candidatos.

 

Há sempre um limite de caracteres ou palavras que deve ser seguido à risca no essay. Qualquer que seja o tema, a redação deve demonstrar qualidades e características pessoais do candidato, e enfatizar o quão interessado ele está em ser escolhido no processo de seleção. A intenção é mostrar o seu lado mais humano e tudo aquilo que o diferencia dos demais candidatos. É a sua chance de se destacar além das notas, das qualificações escolares, das provas de seleção e da proficiência no inglês.

 

Regras para um essay de admissão bem escrito

 

essay

 

Independente de tema e do limite de caracteres, as regras para um essay de inscrição bem escrito são simples:

 

1. Seja sincero e escreva coisas que reflitam quem você é. A equipe de recrutadores das universidades recebe centenas – se não milhares – de inscrições todos os anos. O essay é uma forma de conhecer cada candidato de maneira mais aprofundada e entender os motivos pessoais, educacionais e profissionais de cada um deles para querer estudar aquela área específica, quais são seus projetos para o futuro e como a graduação e a universidade poderão ajudá-lo a atingir seus objetivos.

 

2. Venda o seu peixe, mas com humildade. Apesar de você precisar de fato listar e descrever suas habilidades, talentos e conquistas (e mesmo que você tenha muito orgulho de tudo isso), é importante assumir um tom de neutralidade. Existe uma linha tênue entre confiança e arrogância.

 

3.  Comece a escrever o essay o quanto antes possível, com um período suficiente até o prazo final de entrega. Este não é um trabalho para ser feito da noite para o dia. Você precisa montar um esqueleto do seu texto, com os itens que pretende incluir nele, e provavelmente vai passar por diferentes rascunhos e versões antes de se dar por satisfeito. Por isso, será crucial ter tempo de sobra para a escrita do seu essay.

 

4. Cuidado com as suas referências. Se você for usar citação ou trecho de textos de outro autor, pesquisa, livro ou qualquer outra fonte, coloque sempre os créditos adequados. Isso vale, inclusive, para os essays que você escreverá para a universidade durante os seus estudos. O plágio é considerado seríssimo e pode levar até à expulsão do aluno.

 

5. Peça o feedback de seus pais, amigos ou professores. O ideal é que seja alguém que o conheça bem o suficiente para dizer se o seu essay está transmitindo a sua essência com clareza, além de suas habilidades e características pessoais. Estes leitores poderão dizer se algo ficou confuso, se a redação está interessante e também notar erros que você deixou passar. O que nos leva para o próximo item...

 

6. Revise o seu texto com muito, muito cuidado, lembrando que ele deve ser escrito em inglês ou outro idioma estrangeiro, dependendo da sua instituição e a localização dela. Um texto com erro de ortografia, gramática, de digitação ou qualquer outro pode ser automaticamente desconsiderado. É interessante que você dê um ou dois dias de intervalo após tê-lo terminado para fazer a sua revisão, porque é como se a vista ficasse viciada de ler o mesmo texto tantas vezes, que acaba deixando alguns erros escaparem. Se você quiser ter certeza de que enviará um texto bem escrito, pode inclusive investir em uma revisão profissional.

 

Qual é a diferença entre essay e personal statement?

 

O personal statement é uma “declaração pessoal” exigida pelas universidades internacionais de cada um dos candidatos. Trata-se de uma redação, portanto, por natureza, um personal statement é um essay.

 

Você ainda pode encontrar outras versões do nome desta redação, como “statement of purpose”, “statement of intent”, “personal statement application essay” e “admission essay”. Por apresentarem pequenas diferenças técnicas entre eles, se você estiver em dúvida na hora de escrever esta redação de admissão, recorra sempre às instruções da universidade – leia com atenção e siga-as corretamente.

 

Saiba mais sobre personal statement aqui e também como evitar os sete erros mais comuns na hora de escrever o seu.

 

O que significa “supplement essay”?

 

Além do essay principal para o processo seletivo – mais comumente chamado de personal statement –, algumas universidades, como as norte-americanas Tufts University e a Wake Forest University, pedem outras respostas dissertativas chamadas de supplement essay (ou ensaio complementar). Estas costumam ser mais curtas do que o personal statement principal e ter temas mais específicos.

 

Tipos de escrita acadêmica

 

Há quatro tipos principais de escrita acadêmica: descritiva, analítica, persuasiva e crítica. Cada uma delas faz uso de uma linguagem diferente e tem propósitos distintos. Nos seus trabalhos acadêmicos, você com certeza desenvolverá mais de um destes tipos de escrita – na sua dissertação ou tese, por exemplo, você vai usar todos eles!

 

As características destes tipos de escrita se

 

Tipo de escrita

Descrição

Descritiva

Este é o tipo mais simples de escrita e raramente um texto acadêmico será puramente descritivo. O seu propósito é fornecer fatos ou informações. Um exemplo comum seria o sumário de um artigo ou um relatório dos resultados de um experimento. As instruções para um texto puramente descritivo incluem: identificar, relatar, registrar, resumir e definir.

Analítica

A maioria dos textos acadêmicos inclui aspectos deste tipo de escrita. A analítica usa os elementos da escrita descritiva, mas reorganizando os fatos e informações descritas em categorias, grupos, partes, tipos ou relações. Às vezes estas categorias ou relações já fazem parte da disciplina, às vezes você as cria especificamente para o seu texto. Por exemplo, se você estiver comparando duas teorias, pode quebrar a sua comparação em diversas partes (como cada teoria lida com o contexto social, como cada teoria lida com o aprendizado da linguagem e como cada teoria pode ser usada na prática). As instruções para um texto analítico incluem: analisar, comparar, contrastar, relatar e examinar.

Persuasiva

A escrita persuasiva tem todas as características da escrita analítica (ou seja, as informações e a reorganização delas), com a adição do seu ponto de vista. A maioria dos textos acadêmicos é persuasiva e há um elemento persuasivo pelo menos na discussão e na conclusão dos artigos de pesquisa. Os pontos de vista em um texto acadêmico podem incluir um argumento, uma recomendação, interpretação de descobertas ou avaliação de trabalhos de outros. Na escrita criativa, cada afirmação que você fizer precisa ser apoiada por evidências, por exemplo, uma referência a descobertas de uma pesquisa ou fontes publicadas. As instruções para um texto analítico incluem: argumentar, avaliar, discutir e tomar uma posição.

Crítica

A escrita crítica é comum para pesquisas, essays de pós-graduação e essays avançados de graduação. Ela tem todas as características da escrita persuasiva, com a adição de pelo menos mais um ponto de vista. Enquanto a escrita persuasiva exige que você tenha o seu próprio ponto de vista sobre uma questão ou tópico, a escrita crítica exige que você considere pelo menos dois pontos de vistas, inclusive o seu. Por exemplo, você pode explicar a interpretação ou argumento de um pesquisador e depois avaliar os méritos desta interpretação/argumento, ou então dar a sua própria interpretação alternativa. Os trabalhos de escrita crítica podem ser, por exemplo, um artigo de jornal ou uma crítica literária que identifica as forças e as fraquezas de uma pesquisa já existente. As instruções para um texto analítico incluem: criticar, debater, discordar e avaliar.

 

Fonte: The University of Sydney

 

Leia também:

As melhores dicas para a sua inscrição em uma universidade dos Estados Unidos

Como aumentar as suas chances de conquistar uma bolsa de estudo no exterior

4 dicas sobre cartas de referência

Dê uma olhada...

Pesquise por cursos

Selecione país
Graduação
SOBRE O AUTOR

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Leitura recomendada

Cheerleading: Como ser uma líder de torcida no Brasil?

Você já as viu em filmes norte-americanos ou em grandes eventos esportivos dos Estados Unidos. Você sabe quem elas são! As cheerleaders, ou líderes de torcida, são parte integral da cena esportiva americana. Cada time tem o seu grupo de meninas (e, em grande parte, meninos também) que preparam apresentações cheias de dança, acrobacias, ginástica, ritmo e pom-poms com um só intuito: agitar a torcida.      Criado pela Princeton

37847

8 motivos para estudar no exterior

Seja por conta própria ou por um intercâmbio oferecido pela sua universidade brasileira, estudar no exterior será sempre uma opção beneficial à sua vida de maneira absolutamente geral. Existem inúmeras razões pelas quais a experiência de viver em outro país e frequentar uma instituição internacional deveria ser uma opção obrigatória do sistema educacional de qualquer lugar do mundo. Se você ainda não estiver convencido sobre os benefícios desta experiência, leia

36125

10 coisas engraçadas que você vai fazer ao se preparar para estudar fora

O que fazer quando você vai estudar no exterior? Nós temos artigos e mais artigos sobre este assunto aqui . Tudo para ajudá-lo a se preparar para a partida e também para os estudos, a adaptação, a vida em outro país, etc. Mas há algumas coisas que são difíceis de evitar e outras completamente essenciais na hora de fazer as malas para estudar no exterior...   Alegria avassaladora   Aquele momento de alegria pura e genuína. Uma

4347

Consultora explica como é o trabalho de orientação para quem quer estudar no exterior

O Hotcourses Brasil entrevistou Emily Dobson, consultora educacional coorporativa, criadora da Brazil College Counseling , agência de orientação universitária para brasileiros que gostariam de estudar nos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá. Reconhecida oficialmente pela UCLA Credentialed Higher Education Consultants Association e autorizada a trabalhar no Brasil, Emily, que é americana e mora no Brasil há mais de dez anos, explicou como é o trabalho de um

3783