Essenciais
Estude no exterior : Últimas notícias

10 perguntas para fazer à sua universidade sobre a pandemia

Um guia de perguntas para você verificar como a sua universidade está lidando com a crise da pandemia do Covid-19 sem prejudicar os estudos

10 perguntas para sua universidade sobre as aulas durante a pandemia do Covid-19

Em meio às incertezas e inseguranças, a melhor coisa a se fazer é recorrer a fontes confiáveis. No caso dos seus estudos, não há fonte melhor do que a sua própria universidade. Cada instituição adotou medidas distintas de segurança e adaptação devido à pandemia do Covid-19. Por mais que possamos resumir as principais ações pelo mundo inteiro, só a sua universidade saberá lhe informar exatamente como proceder de acordo com suas próprias orientações.

 

Queremos ajudar a não deixar nenhum detalhe importante de fora e também evitar que os seus estudo se atrasem, seja no Brasil ou em qualquer parte do mundo, caso você esteja matriculado ou tenha sido admitido em uma universidade no exterior. Veja a seguir uma lista de perguntas que você pode usar como um roteirinho para tirar todas as dúvidas mais importantes ao entrar em contato com a sua instituição.

 

1. Quais medidas de segurança foram tomadas no campus?

 

Estudante usando uma máscara facial no campus universitário

 

Antes de mais nada, verifique como a universidade está garantindo o bem-estar dos seus estudantes, professores, pesquisadores e demais acadêmicos. O campus está fechado? Há instalações abertas, tipo biblioteca ou laboratório? Se sim, quais horários de funcionamento? Você pode acessá-los em segurança? Estão adotando a higienização adequada do ambiente?

 

Apenas frequente qualquer instalação do campus se houver permissão oficial da universidade e se você estiver seguro quanto às medidas de higienização e também de distanciamento entre as pessoas.

 

No entanto, de maneira geral, os campi de universidades brasileiras e internacionais estão fechados por tempo indeterminado.

 

2. Quando as aulas voltarão?

 

Por enquanto, provavelmente ninguém saberá dizer exatamente quando os campi voltarão a abrir as suas portas. O isolamento social continua sendo a opção mais eficaz na contenção do vírus e os governos podem prolongar a quarentena de novo a qualquer momento.

 

Mesmo assim, mantenha-se em contato com a universidade para saber quando houver alguma previsão das atividades acadêmicas.

 

3. Como ficam as provas e prazos de entrega?

 

Você tinha trabalhos para entregar? Provas marcadas? Pergunte à universidade como devem ficar estas datas. Uma das providências das instituições foi adiar todas as entregas e testes, então é possível que já tenham preparado um novo calendário provisório.

 

É importante entender que esse calendário está sujeito a novas alterações a qualquer momento, em acordo com os anúncios do governo estadual ou federal. Portanto, esteja em alerta, mas não deixe de estudar em casa ou se dedicar aos trabalhos.

 

Leia também: 6 dicas para estudar em casa durante a pandemia

 

4. O que vocês estão fazendo para adaptar as aulas à nova situação?

 

Com os campi fechados e as aulas presenciais canceladas, o que a universidade está fazendo para não atrasar os cursos? Pergunte se pretendem continuar as aulas e de qual forma.

 

Algumas instituições conseguiram adaptar às aulas ao ambiente virtual, por meio de algum aplicativo ou software para aprendizado online. Outras criaram grupos de cada sala no Whatsapp ou por email, para que os professores enviassem conteúdo, leituras, exercícios, etc., e continuassem a estimular os estudos.

 

A sua universidade usará quais destes recursos?

 

5. Onde encontro informações oficiais da universidade sobre o assunto?

 

Como a situação muda todos os dias, a sua universidade pode estar divulgando novas informações e orientações com certa regularidade. Mas onde? Pergunte quais redes sociais seguir, qual site acessar ou newsletter assinar para receber as informações mais recentes em tempo real.

 

6. Existe uma linha direta para tirar todas as minhas dúvidas?

 

Em alguns casos, além das mídias sociais e sites, as instituições têm inclusive um número de Whatsapp para que os seus estudantes entrem em contato direto e tirem todas as suas dúvidas.

 

Esse é o caso da sua universidade? Qual é o número usado por ela? Eles enviarão as informações mais importantes por mensagem de Whatsapp ou SMS?

 

7. A pandemia prejudicará o meu curso ou a data de conclusão dos meus estudos?

 

O cancelamento das aulas presenciais, o adiamento das provas e o novo calendário acadêmico, se adotados pela sua universidade, prejudicarão o andamento do seu curso? E, principalmente, tudo isso atrasará a data prevista para a conclusão dos seus estudos?

 

No momento, é improvável que as universidades saibam responder a estas perguntas com precisão. No entanto, se já houverem criado o novo calendário provisório, como mencionado no item 3, elas talvez saibam lhe repassar uma previsão de conclusão dos estudos.

 

Ou então, como diz o item 4, a instituição já pensou em formas de continuar com os cursos em um ambiente virtual e não precisará adiar as conclusões.

 

Qual é a situação da sua universidade?

 

8. Como continuar com meus estudos em casa?

 

Pandemia: estudar em casa

 

Com a universidade fechada, peça orientação para não atrasar os estudos enquanto você permanece em casa.

 

Há diferentes formas de adiantar as tarefas mesmo em isolamento social: fazer as leituras obrigatórias (e até complementares, se te interessar e você tiver tempo); dedicar-se a algum trabalho, redação, ao seu TCC, dissertação, pesquisa, tese, etc.; fazer as tarefas e exercícios que os professores passam por email ou portal do estudante; cursar algum programa de curta duração que a universidade oferece de graça no site oficial – profissionalizante, vocacional, extensão, educação continuada, etc.

 

Quais possibilidades a sua universidade oferece para que você dedique o seu tempo em quarentena aos estudos?

 

9. Eu tinha data marcada para apresentação do meu TCC, e agora?

 

Enquanto houver restrição de aglomerações, é possível que qualquer banca seja adiada. Mas isso, somente a sua universidade saberá informar com precisão. Pode ser que a apresentação aconteça virtualmente; pode ser que a data seja postergada para depois da quarentena; pode ser que ainda aconteça, mas com restrição de público, distância obrigatória entre os presentes e todas as regras de higienização e precaução.

 

O que a sua universidade decidiu sobre isso?

 

10. O que eu posso fazer para ajudar?

 

As universidades têm um papel fundamental neste momento. Pesquisadores do mundo inteiro estão trabalhando incansavelmente para encontrar cura para a doença, soluções para conter a disseminação, testar possíveis remédios, publicar trabalhos científicos que ajudem equipes mundiais, projetar novos aparelhos médicos e produtos de higienização de baixo custo e fácil acesso, etc. É uma luta contra o relógio e há pessoas de todas as nacionalidades dedicando às suas vidas a este trabalho – verdadeiros heróis!

 

Peça orientação à sua universidade de como fazer a sua parte. Eles sabem de campanhas de ONGs de confiança? A própria instituição precisa de algum tipo de doação?

 

Aqui vão alguns exemplos de campanhas de universidades brasileiras:

 

Universidade de São Paulo (USP)

 

A Universidade de São Paulo criou o programa USP Vida com a finalidade de captar recursos financeiros que ajudem no avanço das pesquisas e ações na superação da doença. Com atuação de cientistas, pesquisadores, professores, funcionários técnicos e administrativos, ela pede doações de qualquer valor para pesquisas e ações Covid-19.

 

A USP trabalha no desenvolvimento de vacinas, medicamentos, respiradores artificiais, produção de protetores faciais, testes de diagnóstico, estudo de processos antivirais, etc. Se você preferir, pode doar diretamente ao Hospital Universitário (HU).

 

Visite a página do USP Vida.

 

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

 

A Unicamp também criou uma campanha de doação chamada #UnicampContraOCoronavírus para auxiliar os hospitais universitários no combate ao Covid-19. A área de saúde da universidade presta assistência exclusivamente pelo SUS a mais de 6,5 milhões de pessoas, desempenhando um papel importante no enfrentamento do coronavírus.

 

Um leito de UTI custa em média entre R$ 2,5 mil a R$ 3 diários. Já a implantação de novos leitos tem o favor de R$ 180 mil e os hospitais da Unicamp devem abrir mais 30 leitos na UTI a fim de atender os infectados. Além disso, tem lidado com gastos relacionados a testes e novos equipamentos como máscaras cirúrgicas, aventais e toucas.

 

Os interessados em ajudar pode doar qualquer quantia pelas contas informadas no site oficial, ou doar materiais e equipamentos de diferentes modalidades. A Unicamp tem um site alimentado regularmente para informar com transparência como tem usado os recursos recebidos.

 

Visite a página da #UnicampContraOCoronavírus.

 

Para quem mora na região, há também um programa de voluntariado com objetivos amplos, desde atendimento telefônico a forçar tarefas de busca por doações de bens e produtos.

 

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

 

O Complexo Hospitalar da UFRJ tem nove unidades de saúde, atualmente com 250 leitos ativos e potencial para até 450. Para melhorar a capacitação de operações emergenciais, a universidade está recendo doações de recursos financeiros para ampliar a quantia de leitos, comprar equipamentos de proteção dos servidores da área, produzir álcool em gel, entre outras atividades. Os interessados podem fazer doações materiais ou em dinheiro, da maneira que preferirem.

 

Visite a página de doações da UFRJ.

 

Leia também:

FAQ: Covid-19 e os seus estudos no exterior

5 estratégias para lidar com estresse e ansiedade

5 fatos sobre cursos online

CURSO PERFEITO
Quer saber qual curso é melhor para você?
Descubra com a nossa nova ferramenta "Selecionador de curso"!
COMEÇAR SUA BUSCA

Leitura recomendada

As 10 melhores cidades universitárias de 2015

O QS Top Universities lançou mais uma lista útil para quem está considerando estudar no exterior: as 10 melhores cidades universitárias do mundo. Para constar no ranking, elas deveriam ter pelo menos duas universidades no ranking da QS World University Rankings e uma população de mais de 250 mil habitantes. As cidades foram avaliadas em cinco fatores: ranking universitário, diversidade de estudantes, empregos, atração de estudantes e acessibilidade financeira.

4.8K

As 20 melhores cidades estudantis do mundo de 2017, segundo ranking QS

Montreal, eleita a melhor cidade estudantil de 2017, desbancou Paris, invicta há cinco anos.   Duas cidades francófonas dominaram o índice QS Best Student Cities, lista das melhores cidades do mundo para estudantes internacionais. Montreal, no Canadá, ultrapassou Paris e conquistou o primeiro lugar da lista. Localizada na província de Quebec, ela tem a segunda maior população nativa na língua francesa do mundo, perdendo apenas para a própria capital

4K

LinkedIn lista as 10 faculdades mais influentes do mundo na rede

O LinKedIn costuma fazer listas das marcas mais influentes na rede social separadas por setores. Um deles é o da educação. A edição mais atual listou as 50 instituições mais influentes do mundo segundo a avaliação de marketing de conteúdo do LinkedIn, que analisa todas as atividades das marcas na plataforma, como updates na página da empresa, compartilhamentos dos seus colaboradores, posts patrocinados, atividades em grupos na rede e textos publicados.  

1.9K