Essenciais
Estude no exterior : Últimas notícias

3 fatores sobre estudar no exterior em tempos de Covid-19

3 tópicos importantes sobre estudar no exterior durante a pandemia do Covid-19: necessidade de flexibilidade, financiamento dos estudos e as mudanças no processo seletivo

3 fatores sobre estudar no exterior em tempos de Covid-19

Como as universidades estão lidando com a pandemia do coronavírus? Eu devo continuar os meus planos de estudar no exterior? Mas se o curso agora for online? Como proceder com o processo seletivo se não consigo prestar provas seletivas e de proficiência no inglês?

 

Nós assistimos ao webinário “Como navegar pela busca por uma universidade durante o COVID-19” da QS realizado nesta terça-feira (05), com participação do painel formado por Meredith Hartmann, diretora associada de Admissões na Michigan Ross School of Buisness; de Nancy Piacentini, diretora assistente de Marketing e Recrutamentos da INSEAD; e Dr. Philip C. Zerrillo, vice-reitor da Indian School of Business.

 

A partir de temas debatidos e dicas dadas durante a discussão virtual, elucidamos a seguir três fatores muito importantes sobre os estudos no exterior e o processo seletivo durante a pandemia mundial do Covid-19. Os tópicos responderão algumas das principais dúvidas dos estudantes internacionais sobre como proceder neste momento de tantas incertezas, de acordo com a opinião e conselhos de quem trabalho no ramo.

 

1. Adaptação e resiliência são habilidades fundamentais em crises

 

Adaptação e resiliência são habilidades importantes em meio às crises

 

As instituições de ensino superior do mundo inteiro estão sendo obrigadas a ser mais flexíveis em diferentes aspectos a fim de se adaptarem à nova realidade causada pelo Covid-19, como evitar aglomerações e o cancelamento de voos internacionais. Para se enquadrar na tendência obrigatória atual, os estudantes também precisam ser flexíveis e adaptáveis.

 

Uma das mudanças mais significativas foi passar todas as aulas presenciais para o ambiente online, sejam os cursos já em andamento quanto os próximos que se iniciarão no segundo semestre de 2020. De acordo com uma pesquisa da QS, 61% de 800 instituições questionadas haviam tomado esta providência. Na contra mão, embora quase a metade dos 24.000 estudantes participantes aceite o aprendizado online, 26% disseram não se adequarem à educação a distância (EAD).

 

No entanto, por enquanto ainda não há outra alternativa segura em meio a uma pandemia para continuar as aulas sem precisar atrasar os cursos. Em um momento como este, é primordial que o estudante seja capaz de acompanhar as mudanças. Além disso, saber estudar online é uma habilidade valiosa que pode trazer frutos no futuro.

 

Aceitar a inovação, ser resiliente e saber se adaptar são skills que as circunstâncias atuais exigem das universidades e do alunos. Se você quer manter os seus planos de estudar no exterior, precisa considerá-las, mesmo que isso signifique começar o curso com aulas virtuais.

 

Leia também: Preparar-se para o aprendizado a distância

 

2. Financiamento dos estudos em época de Covid-19

 

Uma das preocupações mais comuns dos estudantes é o valor da experiência de estudar no exterior. Ao invés de amenizar, durante a pandemia e a incerteza econômica que ela acarreta, esta questão volta à tona com força total. O que o painel do webinário lembrou é que se você está planejando os seus estudos no exterior há algum tempo, com certeza, já tem uma ideia sobre orçamento. Os gastos serão quase sempre os mesmos e o investimento em uma formação no exterior tem um retorno que acaba se pagando – seja com um avanço na carreira, um aumento de salário, uma promoção, etc.

 

Seria a melhor opção adiar os estudos por um ano para esperar esta situação passar? A dica é que cada um avalie as suas próprias motivações e em que momento se encontram em suas vidas profissionais e pessoais. Há uma janela de oportunidade que, se adiada, pode acabar se fechando. Portanto, timing é tudo.

 

Se depois da sua avaliação, você chegar à conclusão de que este é o melhor momento para investir no seu curso no exterior, então vá em frente e se adapte às circunstâncias. “Se você pensar em longo prazo, especialmente para cursos de business e MBAs, eles ensinam exatamente como superar crises”, salienta Hartmann, diretora associada das Admissões na Michigan Ross School of Buisness.

 

A boa notícia é que as bolsas de estudo continuam a existir em grandes quantidades para atender à demanda dos estudantes internacionais. “Faça sua lição de casa”, recomenda Piacentini, diretora assistente de Marketing e Recrutamentos da INSEAD. Pesquise em diferentes sites e fontes, inclusive nas páginas oficiais das universidades e em todos os seus campi; converse com outros alunos e ex-alunos; entre em contato direto com a instituição. Após a pesquisa, entenda o que a bolsa de estudo procura nos candidatos, construa uma boa inscrição e seja específico em relação às suas qualificações.

 

Ao pesquisar por bolsas de estudo no exterior, recorra a fontes oficiais e de confiança, como:

 

 

Por fim, neste tópico, é provável que a grande maioria das universidades não reduza o valor das taxas de ensino. Mesmo que precisem recorrer ao aprendizado online por enquanto, elas farão de tudo para manter a qualidade do ensino. Por mais que pareça injusto cobrar as mesmas taxas de ensino de aulas presenciais, as instituições estão tendo de investir em novas tecnologias e inovações a fim de atender aos seus alunos virtualmente, migrando todos os seus serviços para o mundo online sem perder a qualidade e mantendo o seu corpo docente, equipe acadêmica e administrativa.

 

3. A leve atenuação nos processos seletivos

 

Processo seletivo no exterior durante o Covid-19

 

Na pesquisa da QS, também identificaram que 25% das universidades respondentes mudaram o prazo final das inscrições dos seus cursos e 19% alteraram, inclusive, o prazo para os estudantes que já foram admitidos confirmarem suas vagas. Isso reflete a necessidade de ponderação dos dois lados, tanto por parte da instituição quanto dos estudantes (em processo de inscrição e também os já selecionados), e de avaliação dos melhores passos a serem tomados a seguir.

 

A pandemia do Covid-19 forçou uma série de alterações provisórias no processo seletivo no exterior enquanto a crise não passar. Diversas universidades do mundo inteiro – mais de 1.000 só nos Estados Unidos – passaram a aceitar o teste online de inglês do Duolingo, além de versões cem por cento virtuais do IELTS (o IELTS Indicator) e do TOEFL. O GMAT e o GRE, exames seletivos para pós-graduações nos Estados Unidos e Europa, também estão sendo aplicados online.

 

Estas adaptações talvez possam significar uma leve atenuação no processo seletivo e também uma abertura para um diálogo maior entre candidato e instituição. (Lembra-se da necessidade de flexibilidade comentada no primeiro tópico?). Se você acreditava não ter os requisitos adequados para uma admissão incondicional no exterior, esta é a hora ideal de entrar em contato com a universidade internacional e aproveitar as alterações a seu favor.

 

Ou seja: ao invés de focar na incerteza atual, esta pode ser uma oportunidade de ser selecionado por causa dos testes online e recorrer ao peso das suas atividades extracurriculares na sua inscrição.

 

Por isso, a dica mais importante do webinário é: converse com as pessoas da universidade. Entenda o que está acontecendo e como estão agindo em decorrência do Covid-19. Pergunte como eles podem te ajudar a manter os seus planos de estudos durante a pandemia, mesmo que seja apenas para entender as taxas de ensino, como atender aos requisitos de admissão ou pesquisar bolsas de estudo.

 

As universidades querem recebê-lo tanto quanto você quer estudar nelas. Portanto, estão sempre dispostas a atendê-lo da melhor maneira possível.

 

Se você precisar, nós criamos um roteiro de como abordar as universidades em relação aos estudos durante a quarentena, para você não deixar nenhuma questão importante de fora.

 

Recados extras

 

Por fim, seguem os últimos recados pontuais dados pelos três participantes da mesa:

 

1. Não tome decisões baseadas no medo.

2. Em dúvida, entre em contato com alguém que sabe sobre o assunto.

3. Você nunca olhará para trás e dirá “Eu devia ter estudado menos”.

 

Leia também:

Reino Unido, EUA e Canadá mudam requisitos de inglês e regras de trabalho durante pandemia

Irlanda e Covid-19: 10 respostas sobre imigração, vistos e trabalhos

O que fazer e o que não fazer ao se inscrever em um MBA

CURSO PERFEITO
Quer saber qual curso é melhor para você?
Descubra com a nossa nova ferramenta "Selecionador de curso"!
COMEÇAR SUA BUSCA

Leitura recomendada

As 10 melhores cidades universitárias de 2015

O QS Top Universities lançou mais uma lista útil para quem está considerando estudar no exterior: as 10 melhores cidades universitárias do mundo. Para constar no ranking, elas deveriam ter pelo menos duas universidades no ranking da QS World University Rankings e uma população de mais de 250 mil habitantes. As cidades foram avaliadas em cinco fatores: ranking universitário, diversidade de estudantes, empregos, atração de estudantes e acessibilidade financeira.

4.8K

As 20 melhores cidades estudantis do mundo de 2017, segundo ranking QS

Montreal, eleita a melhor cidade estudantil de 2017, desbancou Paris, invicta há cinco anos.   Duas cidades francófonas dominaram o índice QS Best Student Cities, lista das melhores cidades do mundo para estudantes internacionais. Montreal, no Canadá, ultrapassou Paris e conquistou o primeiro lugar da lista. Localizada na província de Quebec, ela tem a segunda maior população nativa na língua francesa do mundo, perdendo apenas para a própria capital

4K

LinkedIn lista as 10 faculdades mais influentes do mundo na rede

O LinKedIn costuma fazer listas das marcas mais influentes na rede social separadas por setores. Um deles é o da educação. A edição mais atual listou as 50 instituições mais influentes do mundo segundo a avaliação de marketing de conteúdo do LinkedIn, que analisa todas as atividades das marcas na plataforma, como updates na página da empresa, compartilhamentos dos seus colaboradores, posts patrocinados, atividades em grupos na rede e textos publicados.  

1.8K