Essenciais
Estude no exterior : Últimas notícias

Alterações no Ciência sem Fronteiras beneficiarão bolsas de estudo para pós-graduação

O programa de bolsas de estudo no exterior continuará a conceder bolsas para cursos de idioma e pós-graduações

Ciência sem Fronteiras não terá mais bolsas de estudo para graduações
1434

As novas regras referentes ao programa Ciência sem Fronteiras (CsF), que completa cinco anos de existência em 2016, foram anunciadas pelo Ministério da Educação na segunda-feira (25), e estipuladas com base em análise feita pelo governo atual, que assumiu a presidência do Brasil em maio deste ano.

 

Com as mudanças, as bolsas de estudo para graduação no exterior foram canceladas para diminuir os custos do programa. Segundo a nota oficial do MEC, o CsF desembolsou R$ 3,248 bilhões para mandar 35 mil bolsistas de graduação para o exterior em 2915, “valor igual ao investido em alimentação escolar para atender 39 milhões de alunos”. Além disso, havia dificuldade na validação do diploma outorgado no exterior. Sendo assim, as graduações sanduíches não farão mais parte do Ciência sem Fronteiras.

 

Os bolsistas contemplados pelo programa durante a gestão anterior que ainda estão estudando no exterior terão subsídios até o término de seus cursos em 2017, com recursos garantidos pela nova gestão.

 

Novo enfoque

 

O programa CsF volta à ativa com um novo enfoque:

 

  • O ensino de idiomas, no país e no exterior, e estruturado para que possa ser feita a inclusão de jovens pobres do ensino médio matriculados em escolas públicas;
  • Bolsas de pós-graduação para mobilidade de estudantes, professores e pesquisadores, com participação mais ativa das instituições de ensino superior nos processos de internacionalização.

 

De acordo com a nota do MEC, as alterações na iniciativa têm como intenção contribuir com “o processo de internacionalização do ensino superior e da ciência, tecnologia e inovação no Brasil”.

Dê uma olhada...

Pesquise por cursos

Selecione país
Pós-graduação
SOBRE O AUTOR

Ciência sem Fronteiras não terá mais bolsas de estudo para graduações

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Leitura recomendada

As 10 melhores cidades universitárias de 2015

O QS Top Universities lançou mais uma lista útil para quem está considerando estudar no exterior: as 10 melhores cidades universitárias do mundo. Para constar no ranking, elas deveriam ter pelo menos duas universidades no ranking da QS World University Rankings e uma população de mais de 250 mil habitantes. As cidades foram avaliadas em cinco fatores: ranking universitário, diversidade de estudantes, empregos, atração de estudantes e acessibilidade financeira.

2932

As 20 melhores cidades estudantis do mundo de 2017, segundo ranking QS

Montreal, eleita a melhor cidade estudantil de 2017, desbancou Paris, invicta há cinco anos.   Duas cidades francófonas dominaram o índice QS Best Student Cities, lista das melhores cidades do mundo para estudantes internacionais. Montreal, no Canadá, ultrapassou Paris e conquistou o primeiro lugar da lista. Localizada na província de Quebec, ela tem a segunda maior população nativa na língua francesa do mundo, perdendo apenas para a própria capital

2564

LinkedIn lista as 10 faculdades mais influentes do mundo na rede

O LinKedIn costuma fazer listas das marcas mais influentes na rede social separadas por setores. Um deles é o da educação. A edição mais atual listou as 50 instituições mais influentes do mundo segundo a avaliação de marketing de conteúdo do LinkedIn, que analisa todas as atividades das marcas na plataforma, como updates na página da empresa, compartilhamentos dos seus colaboradores, posts patrocinados, atividades em grupos na rede e textos publicados.  

1182