Essenciais
Estude no exterior : Últimas notícias

Pesquisa Selo Belta identifica interesse crescente por graduações no exterior entre brasileiros

A Pesquisa Selo Belta 2019 aponta um crescimento na procura por graduações no exterior e envelhecimento da faixa etária dos intercambistas.

Pesquisa Selo Belta identifica interesse crescente por graduações no exterior entre brasileiros
340

Maura Leão, presidente da Belta, e Danilo Torini, um dos responsáveis pela Pesquisa Selo Belta, apresentam os resultados da edição e 2019 em São Paulo.

 

O mercado de intercâmbio no Brasil registrou um recorde de 365 mil estudantes brasileiros no exterior em 2018. Isso é o que aponta a nova Pesquisa Selo Belta anunciada nesta terça-feira (10) em coletiva de imprensa em São Paulo. Contando com as participação de seis mil respondentes, pouca coisa mudou na sua quarta edição: o Canadá e os cursos de idioma continuam sendo as escolhas mais populares de destino e estudos no exterior entre os brasileiros. No entanto, o interesse por uma formação acadêmica no exterior cresceu por uma série de razões.

 

A graduação passou a ocupar o quarto lugar entre os produtos mais procurados pelos brasileiros nas agências associadas à Belta, que representam 75% do mercado nacional. Em relação à edição anterior, os bacharelados finalmente chegam ao top 5, trocando posição com o curso profissional em sexto lugar em 2018.

 

Os principais fatores que auxiliam esse crescimento são o número cada vez maior de escolas internacionais e bilíngues no Brasil, que preparam o estudante com os requisitos necessários para a admissão direta no exterior, e também os pais que estão preferindo investir em uma formação acadêmica internacional para os seus filhos ao invés de em um intercâmbio de High School (ensino médio).

 

Apesar de a crise econômica e política aparecem em todos os aspectos que desfavorecem as vendas das agências de intercâmbio (como, por exemplo, a valorização do dólar e a redução do poder aquisitivo dos clientes), de acordo com Maura Leão, presidente da Belta – Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio, responsável por encomendar a pesquisa, sempre que há crise econômica, a procura por cursos lato sensu volta a crescer, incluindo pós-graduações e MBAs.

 

Além disso, mesmo com as políticas anti-imigração de Trump e o Brexit, Estados Unidos e Reino Unido continuam bem colocados no ranking dos destinos de estudo mais desejados, respectivamente em segundo e terceiro lugar.

 

Envelhecimento na faixa etária

 

O interesse por graduações e pós-graduações no exterior pode ser notado, inclusive, no envelhecimento da faixa etária das pessoas que procuraram por intercâmbios em 2018. Entre os que de fato viajaram, a maior porcentagem pertencia a faixa dos 18 a 21 anos. Entretanto, as idades dos 22 aos 24 e dos 25 aos 29, juntas, representaram 44,4% dos intercambistas em 2018. A média geral apontada pela pesquisa é 23,9 anos.

 

Um dos destaques, no entanto, foi o aumento da procura por estudos no exterior entre as pessoas de 50 anos ou mais, com 3,9% - um valor maior do que a faixa dos 15 anos (apenas 1%). Esta é mais uma prova de que não há idade certa para estudar no exterior!

 

Cursos e destinos

 

mercado de intercâmbios

Maura Leão, presidente da Belta, durante coletiva.

 

Em 2018, os cursos de idiomas foram os mais procurados e também os mais vendidos pelas agências. De acordo com os brasileiros que viajaram no ano passado, 47% estudaram um idioma e 13% fizeram uma graduação. Entre as línguas estrangerias, o inglês continua a predominar, com 87,22%, apesar de outros idiomas terem crescido em popularidade, principalmente o espanhol e italiano.

 

Uma possível interpretação destes dados é que o brasileiro tenha começado a se preocupar em conquistar proficiência em um segundo idioma estrangeiro, além da já obrigatória fluência na língua inglesa. A Espanha, inclusive, aparece pela primeira vez em sexto lugar como destino de estudo mais procurado, atrás dos países mais famosos entre os brasileiros: Canadá, Estados Unidos, Reino Unido, Irlanda e Austrália.

 

Os objetivos para um intercâmbio

 

Os fatores que mais influenciam os brasileiros em sua escolha por um destino de estudo no exterior ainda são a qualidade de vida no país e a sua localização, seguidos por estilo de vida e existência de belezas naturais.

 

Embora a procura por graduações e pós-graduações tenha crescido em 2018 e os estudantes se interessem cada vez mais por países que permitem trabalhar durante os estudos – o que explica Malta ter sido o sexto país mais apontado pelas agências nesta edição –, o principal objetivo dos estudantes respondentes para a participação no intercâmbio foi realizar o sonho de conhecer países e culturas diferentes, antes mesmo do interesse de investir em idiomas.

 

A vivência internacional – especialmente uma experiência que envolva estudo, trabalho e turismo – e a ampliação dos horizontes motivam os brasileiros a procurar por um intercâmbio mais do que a importância de diferenciar o currículo.

 

A Pesquisa Selo Belta

 

A Belta (Brazilian Educational & Language Travel Association) é um grupo de agências e instituições brasileiras que trabalham com intercâmbios e programas de educação internacional com 25 anos de atuação no mercado do país. Os seus objetivos são orientar os estudantes e profissionais brasileiros interessados em cursos no exterior e também manter a qualidade dos serviços oferecidos pelas agências que recebem o Selo Belta.

 

A Pesquisa Selo Belta propõe uma visão inédito do mercado de educação internacional no Brasil. Ela é realizada pelo Grupo de Pesquisa Mobilidades por questionário online tanto com estudantes que já foram ou pretendem ir para o exterior quanto com agentes, gestores de agências, franqueados, donos ou representantes de marcas de intercâmbio.

 

Leia também:

Por que o Canadá é o destino de estudo mais popular entre os brasileiros?

Qual é a importância do inglês para uma carreira internacional?

O que é Undergraduate Education?

Dê uma olhada...

Pesquise por cursos

Selecione país
Graduação
SOBRE O AUTOR

Pesquisa Selo Belta identifica interesse crescente por graduações no exterior entre brasileiros

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Leitura recomendada

As 10 melhores cidades universitárias de 2015

O QS Top Universities lançou mais uma lista útil para quem está considerando estudar no exterior: as 10 melhores cidades universitárias do mundo. Para constar no ranking, elas deveriam ter pelo menos duas universidades no ranking da QS World University Rankings e uma população de mais de 250 mil habitantes. As cidades foram avaliadas em cinco fatores: ranking universitário, diversidade de estudantes, empregos, atração de estudantes e acessibilidade financeira.

4497

As 20 melhores cidades estudantis do mundo de 2017, segundo ranking QS

Montreal, eleita a melhor cidade estudantil de 2017, desbancou Paris, invicta há cinco anos.   Duas cidades francófonas dominaram o índice QS Best Student Cities, lista das melhores cidades do mundo para estudantes internacionais. Montreal, no Canadá, ultrapassou Paris e conquistou o primeiro lugar da lista. Localizada na província de Quebec, ela tem a segunda maior população nativa na língua francesa do mundo, perdendo apenas para a própria capital

3710

LinkedIn lista as 10 faculdades mais influentes do mundo na rede

O LinKedIn costuma fazer listas das marcas mais influentes na rede social separadas por setores. Um deles é o da educação. A edição mais atual listou as 50 instituições mais influentes do mundo segundo a avaliação de marketing de conteúdo do LinkedIn, que analisa todas as atividades das marcas na plataforma, como updates na página da empresa, compartilhamentos dos seus colaboradores, posts patrocinados, atividades em grupos na rede e textos publicados.  

1742