Essenciais
Estude no exterior : Últimas notícias

Top 100 Under 50: Times Higher Education lança novo ranking universitário

A THE 100 Under 50 mostra quais países estão conseguindo disputar com os Estados Unidos e o Reino Unido o título de potências educacionais de ensino superior e fornece uma visão única de possíveis futuros rivais de Harvard e Cambridge (líderes

1302

 

A revista Times Higher Education (THE) publica hoje o seu mais novo ranking internacional, o Top 100 Under 50. Trata-se de uma lista anual das 100 melhores universidades com menos de 50 anos de existência. Esta publicação é adicional ao seu famoso e influente World University Rankings, classificação das 100 melhores universidades do mundo. A THE 100 Under  50 mostra quais países estão conseguindo disputar com os Estados Unidos e o Reino Unido o título de potências educacionais de ensino superior e fornece uma visão única de possíveis futuros rivais de Harvard e Cambridge (líderes universitários).

 

No total, 30 países e regiões estão representados no top 100. Esta primeira versão do THE 100 Under 50 é liderada por Pohang University of Science and Technology, da Coréia do Sul, que, com apenas 26 anos, progrediu surpreendentemente, com a ajuda de investimentos particulares e forte apoio do governo.

 

Veja a lista dos 10 primeiros colocados:

 

1º lugar – Pohang University of Science and Technology (Coréia do Sul)

2º lugar – Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (Suíça)

3º lugar – Hong Kong University of Science and Technology (China)

4º lugar – The University of California, Irvine (EUA)

5º lugar – Korea Advanced Institute of Science and Technology (Coréia do Sul)

6º lugar – Université Pierre et Marie Curie (França)

7º lugar – University of California, Santa Cruz (EUA)

8º lugar – University of York (Reino Unido)

9º lugar – Lancaster University (Reino Unido)

10º lugar - University of East Anglia (Reino Unido)

 

Apesar de não ter alcançado nenhuma das cinco melhores posições entre as “under 50”, a Inglaterra é a que mais tem instituições no THE 100 Under 50 do que qualquer outro país, ultrapassando o número de 20 representantes, incluindo a University of Warwick e a Brunel University. No entanto, o resultado mais surpreendente no ranking foi o da Austrália, representada por 14 universidades, entre elas a Macquarie University, a Queensland University of Technology e a University of South Australia. “Esta lista das 100 melhores universidades com idade inferior a 50 anos é uma incrível notícia para a Austrália”, diz Phil Baty, editor da Times Higher Education Rankings. “Apenas o Reino Unido tem mais representantes no top 100 do que a Austrália, superando Estados Unidos, França, Alemanha e Canadá, entre outros países. As universidades mais antigas australianas já aparecem em boas posições em tradicionais rankings mundiais, portanto esta nova lista é um sinal real da força do sistema educacional da Austrália.”

 

A Ásia também conquistou um bom desempenho no ranking, refletindo o comprometimento dos últimos anos em investir e apoiar o ensino superior. Entre as universidades asiáticas no top 100, aparecem a Universiti Kebangsaan Malaysia, da Malásia, e Nanyang Technological University, da Singapura.

 

Rápido crescimento em pouco tempo

 

Segundo o editor da THE Rankings, Phil Baty, “esta inovadora lista mundial de instituições “under 50” serve como um aviso claro às tradicionais elites americanas e britânicas de ensino superior e pesquisa acadêmica de que novas potências educacionais estão crescendo rapidamente. [...] Com investimentos, inovações, visão estratégica e muito talento, algumas instituições conseguiram conquistar, em poucos anos, o que as tradicionais potências universitárias desenvolveram por muitas gerações”.

 

A THE 100 Under 50 é parte do portfólio do sistema de rankings universitários estabelecido pela Times Higher Education, reconhecido como o mais respeitado e influente provedor de informações comparativas do desempenho acadêmico mundial. A lista 100 Under 50 tem como base os mesmos critérios rigorosos e abrangentes usados para avaliar as universidades presentes no THE World University Ranking: 13 fatores que analisam todos os pontos essenciais no desempenho de uma instituição acadêmica – nas áreas de ensino, pesquisa, transferência de conhecimento e internacionalização. No entanto, para melhor refletir o perfil destas jovens universidades, estes 13 fatores foram cuidadosamente avaliados por especialistas.

 

Fonte: Times Higher Education 2012

 

 

 

Pesquise por cursos

Selecione país
Por Nível de Ensino*
SOBRE O AUTOR

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Leitura recomendada

As 10 melhores cidades universitárias de 2015

O QS Top Universities lançou mais uma lista útil para quem está considerando estudar no exterior: as 10 melhores cidades universitárias do mundo. Para constar no ranking, elas deveriam ter pelo menos duas universidades no ranking da QS World University Rankings e uma população de mais de 250 mil habitantes. As cidades foram avaliadas em cinco fatores: ranking universitário, diversidade de estudantes, empregos, atração de estudantes e acessibilidade financeira.

2834

As 20 melhores cidades estudantis do mundo de 2017, segundo ranking QS

Montreal, eleita a melhor cidade estudantil de 2017, desbancou Paris, invicta há cinco anos.   Duas cidades francófonas dominaram o índice QS Best Student Cities, lista das melhores cidades do mundo para estudantes internacionais. Montreal, no Canadá, ultrapassou Paris e conquistou o primeiro lugar da lista. Localizada na província de Quebec, ela tem a segunda maior população nativa na língua francesa do mundo, perdendo apenas para a própria capital

2482

LinkedIn lista as 10 faculdades mais influentes do mundo na rede

O LinKedIn costuma fazer listas das marcas mais influentes na rede social separadas por setores. Um deles é o da educação. A edição mais atual listou as 50 instituições mais influentes do mundo segundo a avaliação de marketing de conteúdo do LinkedIn, que analisa todas as atividades das marcas na plataforma, como updates na página da empresa, compartilhamentos dos seus colaboradores, posts patrocinados, atividades em grupos na rede e textos publicados.  

1143