Essenciais
Estude no exterior : informações de assunto

Estágio no exterior pode facilitar a entrada no mercado de trabalho

Esse tipo de programa proporciona um ambiente de desenvolvimento de competências e atitudes ao intercambista, que também tem a oportunidade de fazer networking internacional

Estágio no exterior pode facilitar a entrada no mercado de trabalho
117

Experiência prévia e domínio de um segundo idioma estão entre as características mais valorizadas pelos recrutadores na hora de selecionar candidatos para o preenchimento de uma vaga de emprego. Mas, por mais básicas que possam parecer, elas nem sempre são fáceis de adquirir – especialmente para quem está no início da vida profissional.

 

Por isso, muitos jovens têm buscado experiências no exterior para enriquecer o seu currículo e vivenciar na prática a teoria aprendida em sala de aula. “Assim, eles podem se desenvolver profissionalmente e fazer networking internacional”, diz Rosana Lippi, gestora de programas de trabalho no exterior do STB diz.

 

Segundo ela, o número de candidatos procurando por um estágio no exterior cresceu 15% no último ano. “Esse tipo de programa proporciona um ambiente de desenvolvimento de competências e atitudes como flexibilidade, jogo de cintura, visão de mundo e capacidade de negociação e adaptação. São comportamentos que fazem a diferença para iniciar uma carreira de sucesso”, afirma Rosana.

 

Como funcionam os programas de estágio no exterior?

 

Oferecidos nos Estados Unidos, na Austrália e na China, os programas de estágio no exterior contemplam diversas áreas – do design à engenharia, passando por turismo e hospitalidade, gastronomia, marketing, administração, publicidade, finanças, arquitetura, recursos humanos e outros. Assim, os candidatos têm a oportunidade de realizar tarefas compatíveis com a sua área de estudo durante o programa.

              
Aqueles que tiverem interesse em participar podem recorrer a uma agência de intercâmbio para receber a indicação de uma vaga ou, se preferirem, também podem procurar a vaga por conta própria. Rosana explica que, no STB, em ambos os casos há auxílio para organizar a viagem a fim de desenvolver um plano de estágio especialmente para o candidato, onde constam as atividades que ele deverá desempenhar durante todo o período.

 

Os estágios no exterior seguem uma linha bem parecida com a dos programas brasileiros, o que pode aumentar consideravelmente as chances de o participante entrar no mercado de trabalho após o término da experiência e a volta ao país. “O candidato poderá vivenciar desde tarefas básicas, como arquivar documentos, tirar xerox e atender telefonemas até, dependendo do seu desempenho, evoluir e desenvolver tarefas mais específicas dentro da empresa”, afirma Rosana.               

 

Exigências e particularidades

 

Como em qualquer outro trabalho, também há regras e exigências específicas para quem deseja ter essa experiência em outros países. No caso do estágio na China, por exemplo, apesar de todos os supervisores responsáveis pelo estagiário falarem inglês fluentemente, os participantes também devem realizar três horas de aulas de mandarim por semana para se habituar ao idioma local.

 

Assim, além de aprender com profissionais de uma das maiores potências econômicas do mundo e de aperfeiçoar o domínio do inglês no dia a dia, os estagiários voltam para casa com mais um enorme diferencial no currículo: o conhecimento do mandarim, mesmo que básico.

               
Outros pontos que podem variar dependendo do destino e do empregador são a duração do programa, a jornada de trabalho (que geralmente varia entre 20 e 40 horas semanais) e a remuneração dos participantes. “Na Austrália, somente as vagas na área de hospitalidade oferecem remuneração, sendo que, nas outras áreas, o trabalho não é remunerado. Já nos Estados Unidos, todas as vagas são remuneradas”, afirma Rosana.

 

Confira, abaixo, exemplos de programas de estágio no exterior em cada um dos destinos disponíveis:

 

Estágio na área de hospitalidade na Austrália:
 

Idade:  entre 18 e 30 anos

Nível de idioma:  inglês avançado

Duração:  de 26 a 52 semanas

Remuneração:  a partir de AUD 15 a hora

Pré-requisitos:  ser estudante de nível universitário, pós-graduado ou de extensão por pelo menos dois anos ou ser recém-formado (até dois anos após a conclusão do curso) e ter mínimo de seis meses em período integral de experiência em rede hoteleira.

 

Estágio na China:

 

Idade:  entre 18 e 30 anos

Nível de idioma:  inglês avançado

Duração:  a partir de 4 semanas

Remuneração:  existem vagas remuneradas e não remuneradas, dependendo do empregador

Pré-requisitos:  ser estudante de graduação, pós-graduação, ou ser recém-formado e comprovar que possui fundos para se manter durante o período do programa.


Estágio na área de hospitalidade nos Estados Unidos:

 

Idade:  de 18 a 30 anos

Nível de idioma:  inglês avançado (equivalente ao TOEFL 500)

Duração:  de seis meses a um ano

Remuneração:  a partir de US$ 7,25 por hora

Pré-requisitos:  ser estudante de graduação (há pelo menos dois anos), pós-graduação ou recém-formado nas áreas de hotelaria, turismo, gastronomia ou lazer/entretenimento; ou combinar no mínimo um ano de faculdade a pelo menos um ano de experiência na área de estudo. Para candidatos interessados nas posições de Front Office, é desejada experiência comprovada mínima de um ano na função.

 

Leia mais:

Como os cursos de extensão universitária podem te ajudar a se atualizar profissionalmente

5 benefícios de fazer uma pós-graduação no exterior

Pesquise por cursos

Selecione país
Pós-graduação
SOBRE O AUTOR

Estágio no exterior pode facilitar a entrada no mercado de trabalho

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.

Dê uma olhada...