Essenciais
Estude no exterior : informações de assunto

Os rankings das universidades mais jovens do mundo

As melhores universidades do mundo com até apenas 50 anos de idade segundo rankings famosos da Times Higher Education e QS

Os rankings das universidades mais jovens do mundo

Depois de explicar como usar os rankings por área de estudo para escolher o seu curso no exterior, vamos focar em outro tipo de ranking universitário internacional mais recente e bastante popular: as melhores instituições de ensino superior mais jovens do mundo.

 

Quando se fala nas melhores universidades do mundo que costumam ocupar as principais posições nas listas gerais mais famosas, como Times Higher Education, QS e Academic Ranking of World Universities (ARWU), geralmente se refere a instituições com uma longa tradição de ensino superior. Algumas, inclusive, têm séculos de funcionamento, como a University of Oxford e a University of Cambridge, no Reino Unido, com 924 e 811 anos de idade respectivamente.

 

Por isso, a disputa nem sempre era justa para universidades mais jovens, com poucos anos de história, mas com uma reputação global já consolidada e excelentes resultados. Como competir com as grandes potências tradicionais? A solução encontrada foi criar um ranking a parte para classificar apenas instituições de no máximo 50 anos de idade e identificar quais são as melhores do mundo entre elas.

 

Duas coisas importantes sobre os rankings de universidades jovens

 

Por incluir apenas as instituições de até, no máximo, 50 anos de idade, há duas coisas importantes a serem consideradas ao utilizar um desses rankings nas suas pesquisas por um curso no exterior:

 

1. Rotatividade

 

Diferente dos rankings gerais que não costumam conter modificações muito significativas de uma edição para outra, as listas das universidades mais jovens do mundo têm uma grande rotatividade. Isso significa que se ela fizer 51 anos, já não é mais considerada na edição seguinte.

 

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), por exemplo, uma das melhores do Brasil (em 214º lugar no ranking mundial geral da QS), completou 50 anos em 2016 e não pôde mais fazer parte da lista. Antes disso, em 2014, ela conquistou a 15ª posição mundial no ranking da QS e a 28ª no da Times Higher Education de 2013.

 

Assim, as universidades têm um período de 50 anos para se destacar nas listas das mais jovens antes de só serem consideradas nas classificações gerais que incluem as instituições de qualquer idade.

 

 3. Diversidade

 

As melhores jovens instituições são de todas as partes do mundo. Este aspecto também é contrário aos rankings mundiais gerais, que costumam ter as principais posições predominantemente ocupadas por universidades dos Estados Unidos e Reino Unido, com um ou outro país conseguindo abocanhar um lugarzinho entre as 20 ou 30 melhores.

 

Isso permite que Ásia e Austrália, em especial, brilhem nestes rankings por possuírem instituições significativamente mais jovens do que as americanas e britânicas.

 

A Nanyang Technological University (NTU) da Singapura é a primeira colocada no mais recente ranking QS Top 50 Under 50 (50 melhores com menos de 50). Na lista mundial geral da QS, ela ficou em 11º lugar, um resultado impressionante. A segunda colocada no ranking das mais jovens é a The Hong Kong University of Science and Technology (HKUST); no entanto, ela ocupa apenas a 41ª posição geral.

 

Essa diferença vai aumentando bastante. A Aalto University, da Finlândia, por exemplo, nona melhor universidade mais jovem do mundo ocupa apenas a 134ª posição geral.

 

3. Futuras potências

 

As listas de Top 50 Under 50 servem também para indicar quais serão as futuras potências acadêmicas do mundo, que competirão acirradamente com Estados Unidos e Reino Unido pelas melhores posições globais ao longo dos anos.

 

São instituições para ficarmos de olho e que prometem se destacar cada vez mais na educação internacional, aumentando a competitividade entre os países por ensino, aprendizado e pesquisa de alta qualidade.

 

Rankings universitários mundiais: as melhores jovens universidades

 

Times Higher Education Young University Rankings

 

O Young University Ranking usa a mesma metodologia da lista geral da Times Higher Education (THE) para avaliar universidades jovens em 13 indicadores de qualidade divididos em cinco áreas: ensino, pesquisa, transferência de conhecimento, citações e perspectiva internacional.

 

A THE faz a distinção entre três faixas de idade:

 

Young: as universidades consideradas “jovens” são as fundadas entre 1970 e o presente.

Golden age: as universidades da “era de ouro” são de 1945 a 1967.

Millennial: as universidades millennials foram fundadas a partir de 2000.

 

As 20 primeiras colocadas no mais recente Times Higher Education Young University Rankings:

 

  1. The Hong Kong University of Science and Technology (HKUST), Hong Kong
  2. École Polytechnique Fédérale de Lausanne, Suíça
  3. Nanyang Technologial University, Singapura
  4. Paris Sciences et Lettres (PSL) – Research University Paris, França
  5. City University of Hong Kong, Hong Kong
  6. Korea Advanced Institute of Science and Technology (KAIST), Coreia do Sul
  7. Scuela Superiore Sant’Anna Pisa – Pisa, Itália
  8. Pohang University of Science and Technology (POSTECH), Coreia do Sul
  9. Sorbonne University, França
  10. Maastricht University, Holanda
  11. Pompeu Fabra University, Espanha
  12. University of Alabama at Birmingham, Estados Unidos
  13. University of Technology Sydney, Austrália
  14. University of Duisburg-Essen, Alemanha
  15. Hong Kong Polytechnic University, Hong Kong
  16. University of Passau, Alemanha
  17. University of Luxembourg, Luxemburgo

=18. Aalborg University, Dinamarca

=18. Aalto University, Finlândia

20. Bielefeld University, Alemanha

 

Para se ter uma ideia de como esse ranking é diversificado em relação ao mundial: em 2020, o Times Higher Education World University Rankings avaliou aproximadamente 1.400 universidades de 92 países, mas as 20 primeiras posições foram ocupadas por 14 universidades americanas e quatro britânicas. A ETH Zurique em 13ª e a University of Toronto em 18º completavam o top 20.

 

No último Young University Rankings, o Brasil começa a aparecer a partir do top 300. As melhores colocadas, a Universidade Federal de Pelotas e a Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), ficaram na faixa 201-250 do ranking.

 

QS Top 50 Under 50

 

O primeiro ranking QS Top 50 Under 50 – ou as “50 melhores com menos de 50” – foi publicado em 2012. Em 2015, ele triplicou seu alcance para classificar as 100 melhores ao invés das 50.

 

A lista é baseada sempre na mais recente edição do QS World Universitt Rankings, que avalia as universidades em seis indicadores: reputação acadêmica, reputação entre empregadores, citações de pesquisa por membro do corpo docente, proporção entre professores e estudantes, proporção de estudantes internacionais e proporção de professores internacionais.  

 

As 20 primeiras colocadas no mais recente QS Top 50 Under 50:

 

  1. Nanyang Technologial University, Singapura
  2. The Hong Kong University of Science and Technology (HKUST), Hong Kong
  3. Korea Advanced Institute of Science and Technology (KAIST), Coreia do Sul
  4. City University of Hong Kong, Hong Kong
  5. Paris Sciences et Lettres (PSL) – Research University Paris, França
  6. Sorbonne University, França
  7. Pohang University of Science and Technology (POSTECH), Coreia do Sul
  8. Hong Kong Polytechnic University, Hong Kong
  9. Aalto University, Finlândia
  10. CentraleSupÈlec, França
  11. University of Technology Sydney, Austrália
  12. Universiti Putra Malaysia (UPM), Malásia
  13. Universiti Kebangsaan Malaysia (UKM), Malásia
  14. Universitè Catholique de Louvain (UCL), Bélgica
  15. Scuela Superiore Sant’Anna Pisa, Itália
  16. University of Wollongong, Austrália
  17. Universiti Teknologi Malaysia (UTM), Malásia
  18. University of Antwerp, Bélgica
  19. Queensland University of Technology (QUT), Austrália
  20. TELECOM ParisTech, França

 

Leia mais:

Como usar os rankings universitários mundiais

Guia essencial: como escolher o seu curso online

Como encontrar o seu MBA no exterior

CURSO PERFEITO
Quer saber qual curso é melhor para você?
Descubra com a nossa nova ferramenta "Selecionador de curso"!
COMEÇAR SUA BUSCA

Leitura recomendada

Por que estudar Direito?

Por que Direito? Esta é uma pergunta que todo aspirante a estudante da área terá de responder muitas e muitas vezes, seja no processo seletivo universitário, no processo seletivo para bolsas de estudo, em inscrições para vagas de trabalho, durante entrevistas... A lista continua! A questão pode tomar diferentes formas: por que você quer ser um advogado? Por que você a carreira em Direito é a opção certa para você? Mas, basicamente, a pergunta é a mesma.  

25.2K

Os diferentes tipos de MBA

Ser um profissional qualificado, atualmente, significa ter não só uma graduação como também uma pós-graduação. Independente do tipo de continuação que você pretende dar aos estudos acadêmicos, não estagnar no bacharelado já não é mais opção, é essencial. A maioria dos profissionais inseridos no mundo do business, em qualquer área ou setor, tende a optar por um MBA. Mas a princípio é importante saber: qual é a diferença entre pós-graduação e MBA?   MBA

13.6K

O que são e por que fazer os cursos preparatórios no exterior?

Foundation, accesss, pathway, bridge courses ... Os  cursos preparatórios podem mudar de nome e ter algumas variações, mas sempre representam a mesma coisa: à sua introdução ao ensino superior no exterior. Isto significa que você os cursa após a conclusão do ensino médio com a intenção de se preparar para uma graduação.   Trata-se de uma qualificação vocacional ou acadêmica, dependendo do país e do objetivo do programa, oferecida em diferentes

8.6K

10 melhores graduações de Moda do mundo

Interessado em estudar Moda no exterior ? O Business of Fashion (BoF), considerada a bíblia da área educacional, listou as dez melhores escolas de moda no mundo para cursos de graduação. A avaliação das instituições teve como base os seguintes fatores:   Influência global: reputação, seleção de alunos e premiações; Experiência estudantil: corpo discente, recursos e ensino; Investimento a longo prazo: serviço de carreira, empregabilidade

6.6K