Essenciais
República da Irlanda: Quando chegar lá

Entrevista: Estudar e trabalhar na Irlanda e na Holanda como estrangeira

A vida na Europa: a psicóloga Giuliane Alves mora na Holanda e já estudou e trabalhou em Dublin, na Irlanda, por mais de quatro anos

Entrevista: Estudar e trabalhar na Irlanda e na Holanda como estrangeira

A psicóloga Giuliane Alves morou por quatro anos e meia em Dublin, na Irlanda, onde estudou inglês e teve experiências de trabalho no mercado de trabalho informal e formal. Atualmente, com cidadania italiana, ela mora no Holanda e trabalha como recrutadora para uma empresa de tecnologia.

 

Giuliane conversou com o Hotcourses Brasil sobre a vida na Europa, as diferenças entre os países e as vantagens de estudar e trabalhar na Irlanda e na Holanda.

 

 

Quando você se decidiu estudar na Irlanda e quais razões te levaram a optar por Dublin como destino de estudo?

 

Eu decidi estudar na Irlanda em 2014, assim que sai de meu trabalho em multinacional em São Paulo.

 

A decisão de optar por Dublin foi fácil! Primeiro a facilidade de conseguir visto de estudante e também o custo-benefício, me pareceu um local mais barato do que outros de língua inglesa e mais acessível.

 

Outro fator importante foi que uma de minhas melhores amigas do Brasil já morava em Dublin e isso me dava a segurança e tranquilidade de saber que teria alguém em quem eu poderia confiar perto de mim.

 

Por quanto tempo você estudou no país? O que achou da experiência?

 

Meu curso foi de General English e estudei por sete meses ao total. Minha escola era a Malvern School - uma escola muito boa! Gostei bastante da didática e método deles que permite que os alunos aprendam a língua como é falada, não esquecendo da gramática que também é importante.

 

Eu achei essa experiência incrível e indicaria para qualquer um! Foi na escola que passei a ter meus primeiros contatos com pessoas do mundo todo e abrir minha mente não só para aprender o inglês, mas também para novas culturas e ideias. Fiz amigos espanhóis, turcos, italianos, coreanos, chineses... e brasileiros, claro!

 

Quais foram os seus primeiros trabalhos em Dublin quando se mudou?

 

Meus planos eram de ficar em Dublin por apenas sete meses que era o tempo para completar o curso de inglês. Para isso, eu tinha uma poupança que me permitiu focar só nos estudos e não precisei trabalhar nesse período.

 

Quando decidi estender minha estadia foi quando comecei a trabalhar. Meu primeiro emprego foi como camareira em um hotel onde trabalhei por um mês. Depois disso trabalhei como babá para famílias irlandesas por quase um ano - aprendi muito com essas experiências.

 

Como foi a transição dos estudos para um trabalho formal no país? Precisou trocar de visto?

 

Um dos motivos pelo qual decidi estender minha estadia na Europa foi porque eu quis ir à Itália para reconhecer minha cidadania Italiana. Após retornar da Itália com o passaporte europeu nas mãos e agora com inglês, as portas para o mercado formal se abriram para mim. Rapidamente encontrei emprego na minha área, que é Recrutamento, em uma grande empresa de tecnologia.

 

O que achou do país como destino de estudo e de trabalho? Você o recomendaria a outros brasileiros interessados na mesma experiência?

 

Eu indico com toda certeza! É o destino ideal para profissionais que queiram ingressar no mercado de trabalho europeu. Sabemos que o mercado de trabalho irlandês está super aquecido e oportunidades não faltam.

 

Claro que é necessário você se adequar e é importante que entendam que há diferenças no mercado, fora a fluência na língua que obviamente é essencial. Essa adaptação é fundamental para o sucesso. Eu diria que só depende de você.

 

Quanto aos estudos, também tenho certeza que é uma das melhores formas de se aprimorar na sua área, em uma nova área ou na língua inglesa.

 

Como aconteceu a sua mudança para a Holanda? Você estuda e/ou trabalha no país?

 

Morar na Holanda

 

Eu e meu companheiro, que é holandês, decidimos nos mudar para a Holanda pois recebemos propostas de trabalho irrecusáveis.

 

Eu recebi uma proposta de trabalho muito boa na minha área de atuação e entrei como high skilled migrant que é uma oportunidade imperdível também - você recebe bons benefícios devido a isso. Para nós, esse foi o melhor momento para nos mudarmos para a Holanda já que essa era uma de nossas metas para o futuro.  

 

Hoje também trabalho como Recrutadora para um empresa de tecnologia. 

 

De maneira geral, o que acha da vida na Europa? Quais são as principais diferenças em relação ao Brasil, tanto positivas quanto negativas?

 

A primeira coisa que me vem à cabeça quando me perguntam isso é a qualidade de vida. Quando digo isso me refiro à sensação de segurança, as oportunidades iguais a todos e o work life-balance (equilíbrio entre a vida e o trabalho) que é tão apreciado por aqui.

 

Isso para mim faz toda a diferença, saber que está num lugar onde todos, de fato, tem os mesmos direitos e deveres e que sua vida pessoal é tão ou mais importante que seu trabalho. Isso já basta.

 

Gosto do fato de que as pessoas não te julgam por sua profissão ou estudos, todos têm seu papel importante na sociedade e seu valor. Infelizmente, o Brasil ainda está caminhando para isso. Gosto também de andar nas ruas sem muito medo, sinto que não preciso estar em estado de alerta constante.

 

 

Em contrapartida eu diria que o clima é algo não tão agradável. Enfrentar meses de chuva e frio podem não ser tão fáceis. A falta de dias ensolarados é muito grande e isso sem dúvidas é algo que temos em abundância no Brasil – o Sol! Isso faz uma diferença importante no dia-a-dia

 

E em relação à vida na Irlanda e na Holanda, sentiu muita diferença? Foi fácil a mudança? Por enquanto, tem um país preferido? Por quê?

 

Vejo a Irlanda como um país de primeiro mundo, mas que ainda está em desenvolvimento. A história do país explica tudo isso. Eles também passaram por grandes crises econômicas e souberam como sair dessa. Hoje é a Silicon Valley da Europa e é claro que admiro isso.

 

A vida nos dois países é boa e te oferece quase as mesmas condições. Não senti grandes diferenças e minha adaptação foi bem tranquila.

 

Contudo, acho que a Holanda já está a um passo mais à frente em muitas questões que a Irlanda ainda está caminhando para aprimorar, como meios de transporte, sistema de saúde, infraestrutura, planejamento, etc. 

 

Mesmo assim, eu não saberia te dizer qual é o meu país preferido. A Irlanda sempre estará em meu coração como minha segunda casa. Foi lá que tudo aconteceu para mim, foi lá que tudo mudou. Aprendi tanto nesses quatro anos e meio bem vividos por lá. Eu sou muito agradecida pelas oportunidades que o país me ofereceu. Eu também gosto muito dos irlandeses, um povo feliz e muito simpático.

 

A Holanda já é aquela coisa que encanta pela organização e eficiência. Parece que tudo funciona quase que perfeitamente e tem muitas coisa para fazer... A vida é mais dinâmica em Amsterdam.

 

Você consegue conhecer o resto da Europa morando no continente? Como são as suas viagens?

 

Sim! Já viajei para vários países da Europa e isso é bem fácil por aqui. Existem as companhias de low cost e isso facilita muito. Agora estando na Holanda, fica ainda mais fácil pois é possível ir de carro ou trem pra vários países. É bastante acessível!

 

Leia também:

Dos vários empregos às acomodações, brasileiro dá dicas sobre os estudos em Dublin

“O aprendizado só depende de você”, diz brasileiro que aprendeu inglês do zero em Dublin

Brasileiro consegue emprego na Irlanda antes de se mudar para estudar inglês

Como tirar o visto de estudante para a Irlanda?

Como escolher o seu curso de inglês na Irlanda?

Dê uma olhada...

Pesquise por cursos

República da Irlanda
Graduação
SOBRE O AUTOR

Entrevista: Estudar e trabalhar na Irlanda e na Holanda como estrangeira

Brenda Bellani é editora de conteúdo e tradutora do Hotcourses Brasil. É formada em Jornalismo e especializada em Língua Inglesa e Tradução pela UNIMEP. Já morou 18 meses nos Estados Unidos como au pair e é apaixonada por viagens. Como hobby, ela mantém um blog sobre livros e tradução e é dona de uma lista infinita de livros-que-quer-ler.